22:12 22 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Refugiados atrás de uma barreira do Exército libanês enquanto a fumaça aumenta durante os confrontos entre os islâmicos e os atiradores palestinos da Fatah no campo de refugiados palestinos de Ain al-Hilweh perto de Sidon, no sul do Líbano 9 de abril de 2017

    'Conflitos sangrentos' podem surgir com a crise do Líbano, diz ministro alemão

    © REUTERS / Ali Hashisho
    Oriente Médio e África
    URL curta
    250

    O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, manifestou preocupação nesta sexta-feira (16) de que a crise política no Líbano pode gerar novos conflitos na região, inclusive entre o Líbano e seus países vizinhos.

    De acordo com o ministro alemão, o Líbano atingiu um desenvolvimento estável ao longo dos últimos anos.

    "Agora, existe uma grande preocupação com o fim deste desenvolvimento estável, que novos conflitos sangrentos podem surgir no Líbano ou entre o Líbano e seus países vizinhos. E eu afirmo claramente que compartilho essa preocupação", disse Gabriel em coletiva de imprensa com o homólogo libanês Gebran Bassil em Berlim.

    Gabriel também afirmou que a Alemanha tem interesse na unidade e estabilidade do Líbano e pediu que todos os atores políticos da região contribuam para a solução da situação.

    No dia 4 de novembro, o então primeiro-ministro Saad Hariri chocou a comunidade internacional ao renunciar ao cargo por meio de um comunicado transmitido desde Riade, a capital da Arábia Saudita. Hariri afirmou temer por sua vida e fez críticas ao Hezbollah e o Irã por supostamente tentar desestabilizar o Oriente Médio.  

    O presidente do Líbano, Michel Aoun, afirma que Hariri está detido na Arábia Saudita. O secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, diz que a renúncia do primeiro-ministro foi orquestrada pelos sauditas.

    A atual divisão de poderes acertada com o fim da Guerra Civil do Líbano (1975-1990) determina que o presidente precisa ser cristão, o primeiro-ministro sunita e presidente do parlamento um xiita.

    Mais:

    Presidente do Líbano pede explicações à Arábia Saudita sobre suposta detenção de ex-premiê
    Arábia Saudita pede que seus cidadãos saiam do Líbano imediatamente
    Crise no Líbano: preocupada, Rússia defende solução sem interferência externa
    Líbano está à beira de uma guerra civil?
    Crise se agrava: Arábia Saudita diz ter recebido 'declaração de guerra' do Líbano
    Tags:
    Hezbollah, Michel Aoun, Gebran Bassil, Hassan Nasrallah, Sigmar Gabriel, Líbano, Irã, Arábia Saudita, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar