15:26 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Hossein Dehqan, ministro da Defesa do Irã, visita o local de produção de mísseis Sayyad-2 (Arquivo)

    Irã dá resposta dura à proposta de negociar seus mísseis balísticos

    © AFP 2017/ ISNA/STR
    Oriente Médio e África
    URL curta
    122669303

    O Ministério das Relações Exteriores do Irã recusou a proposta do presidente francês, Emmanuel Macron, de começar negociações sobre mísseis balísticos para completar o acordo de 2015 sobre o programa nuclear iraniano.

    "A França está completamente a par da posição firme do Irã a respeito de suas capacidades de defesa, que não são negociáveis", afirmou o porta-voz da diplomacia iraniana.

    O porta-voz, citado pela agência Isna, disse que "a França deve convencer seus aliados da região do golfo Pérsico para que assumam políticas e abordagens sensatas".

    Segundo Bahram Qasemi, "os altos responsáveis da França, inclusive seu presidente, têm conhecimento de que a apresentação de falsas acusações contra a República Islâmica do Irã contradiz a realidade do Oriente Médio nas últimas décadas".

    Qasemi também criticou a comunidade internacional por se manter silenciosa sobre os crimes da Arábia Saudita no Iêmen e seus bombardeamentos aéreos, que causam vítimas entre civis.

    A Arábia Saudita e seus aliados acusam Teerã de fornecer armas aos rebeldes houthis iemenitas, nomeadamente os mísseis que são lançados do Iêmen contra o território saudita.

    Na quinta-feira (9), o presidente da França, Emmanuel Macron, sugeriu alterar o acordo nuclear com o Irã, que, na sua opinião, não abrange a questão dos mísseis balísticos, de forma a evitar um cenário norte-coreano no Oriente Médio.

    Mais:

    UE garantirá que o acordo nuclear com o Irã será implementado por todas as partes
    Explosão em oleoduto estatal é 'ato de terrorismo' orquestrado pelo Irã, acusa Bahrein
    Tags:
    recusa, alteração, revisão, mísseis balísticos, acordo nuclear, Ministério das Relações Exteriores do Irã, França, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik