20:46 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras de Israel e da Palestina

    Ex-secretário dos EUA condena Israel, elogia palestinos e diz que violência pode voltar

    © AP Photo/
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14108

    O ex-secretário de Estado norte-americano, John Kerry, lançou um ataque sem precedentes contra o governo israelense, culpando-o pelo impasse em conseguir um acordo de paz entre Israel e a Palestina, ao mesmo tempo que elogia o compromisso deste último com a não-violência.

    Os comentários de Kerry apareceram após gravações, alegadamente feitas em uma conferência recente em Dubai, que foram obtidas pelo Canal 10 de Israel e transmitidas nesta terça-feira.

    O ex-presidenciável estadunidense expôs as suas opiniões favoráveis aos palestinos ao citar um importante evento de dois anos atrás.

    "Os palestinos fizeram um trabalho extraordinário de permanecerem comprometidos com a não violência. E, de fato, quando a Intifada [em 2015] ocorreu, eles entregaram a não violência — na Cisjordânia", avaliou.

    No entanto, Kerry disse que isso foi "negligenciado pela população em geral porque não é um tema de discussão. Por quê? Porque a maioria do gabinete, no atual governo israelense, declarou publicamente que não é favorável a um Estado palestino".

    Ele então descreveu uma série de medidas tomadas para salvaguardar a segurança de Israel, incluindo ter soldados israelenses estacionados em um aeroporto na vizinha Jordânia.

    "O rei Abdullah da Jordânia aceitou a idéia de ter tropas israelenses em um aeroporto na Jordânia", disse ele. "Nós até temos pré-implantação de armas na Cisjordânia no caso de haver uma ameaça existencial para Israel que eles teriam que responder".

    "Esta teria sido a fronteira mais segura do mundo, com um acordo sobre uma resposta rápida, então se os palestinos não responderam dentro de três minutos ou cinco minutos para uma intrusão na fronteira, Israel teria o direito de responder", ele adicionado. 

    O ex-diplomata norte-americano prevê que, se a situação não mudar, os palestinos podem voltar à violência como forma de garantir um futuro Estado.

    "Se você ver 40.000 crianças marchando para o muro todos os dias com sinais dizendo 'nos dê nossos direitos', quero dizer, eu não acho que a Palestina vai ser imune para sempre aos movimentos de direitos civis que varreram outras nações do mundo e de alguma forma Israel está ignorando isso. Isso não é liderança", disse Kerry.

    "Se você não tem líderes que desejam fazer a paz, se a equação não mudar, ficarei impressionado se dentro dos próximos 10 anos se não vejarmos um líder jovem [palestino] que diz que tentou a não-violência nos últimos 30 anos e diga 'olha, não nos trouxe nada'".

    Durante seu tempo como secretário de Estado, Kerry liderou uma grande rodada de conversações de paz entre as duas partes. Estas, no entanto, entraram em colapso em 2014 com os palestinos culpando, em parte, a construção de assentamentos israelenses em terras árabes.

    Pouco antes de deixar seu posto, Kerry fez um discurso no qual ele criticou Israel por suas políticas de assentamentos, dizendo que elas comprometem qualquer acordo de paz futuro e a possibilidade de uma solução de dois Estados.

    Mais:

    Opinião: adesão da Palestina à Interpol é derrota dos EUA e Israel
    Para resolver impasse de 10 anos, Hamas anuncia acordo com Autoridade Nacional Palestina
    Chanceleres de Egito, Jordânia e Palestina publicam comunicado sobre Israel e Palestina
    Tags:
    assentamentos, relações bilaterais, diplomacia, Estado Palestino, conflito israel palestina, Abdullah, John Kerry, Estados Unidos, Jordânia, Cisjordânia, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik