16:43 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    In this Tuesday, Oct. 3, 2017 file photo, children wear face masks at a school in Antananarivo, Madagascar.

    OMS alerta: Praga mortal chegou a nível crítico em Madagascar e pode 'devastar o mundo'

    © AP Photo / Alexander Joe
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14134

    Uma epidemia mortal em curso na ilha de Madagascar atingiu um ponto de "crise", de acordo com epidemiologistas.

    Dois terços dos casos foram resultado da peste pneumônica no ar, uma tensão letal, que se espalha através da tosse, espirros ou cuspir.

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) está profundamente preocupada com o fato de que a doença poderia chegar à África continental e solicitou que nove países africanos, incluindo África do Sul, Seicheles, Moçambique, Tanzânia, Quênia, Etiópia, Ilhas Comores, Reunião e Maurícia preparem os serviços de emergência para um surto potencial.

    Paul Hunter, professor de proteção de saúde na Universidade de East Anglia, disse ao Daily Mail que "o grande temor é que a doença poderia se espalhar para a África continental".

    "Se não continuarmos fazendo coisas aqui, em um ponto, algo acontecerá e a praga vai sair do controle causando enorme devastação em todo o mundo", afirmou Hunter.

    De acordo com dados, o número de pragas aumentou quase 40% em menos de uma semana, e cerca de 1.800 pessoas na ilha agora carregam a doença. 127 pessoas morreram. A epidemia mortal poderia infectar mais de 20 mil pessoas em apenas algumas semanas se o aumento do número de doentes continuar na mesma proporção.

    No domingo, o Banco Mundial lançou US $ 5 milhões adicionais para o governo local para ajudar a travar a epidemia. O dinheiro será usado em pessoal de saúde, desinfecção de edifícios e combustível para ambulâncias.

    Tags:
    Universidade de East Anglia, Organização Mundial de Saúde, Banco Mundial, Paul Hunter, África continental, Ilhas Comores, Seicheles, Tanzânia, Moçambique, Quênia, Etiópia, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik