11:39 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Mulheres em burca

    Analista sobre funções das mulheres no Daesh: de simples mães a membros da inteligência

    © AFP 2018 / Shah Marai
    Oriente Médio e África
    URL curta
    140

    O especialista egípcio em grupos islâmicos, Maher Fargali, contou à Sputnik Árabe que as mulheres de grupos terroristas deixaram de ser apenas esposas e mães, pois passaram a desempenhar funções na comunidade muitas vezes melhor do que os homens.

    "As mulheres dos grupos terroristas estão se dedicando agora ao recolhimento do dinheiro. Em várias organizações, por exemplo, na Irmandade Muçulmana, elas têm direito de voto nas eleições dentro da organização”. Quanto ao Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), as mulheres são responsáveis pelo "rastreamento de alvos, instalação de dispositivos explosivos e operações terroristas suicidas. Elas não atraem tanta atenção de agentes federais e são menos inspecionadas".

    O especialista assinalou que as mulheres do Daesh passam por treinamento em campos especializados, por exemplo, no iraquiano Al-Hansa. Depois do treinamento, elas patrulhavam as ruas em Raqqa e monitoravam outras mulheres para cumprimento das normas da xaria. Nos mesmos campos, as mulheres aprendiam a realizar operações terroristas. Maher Fargali frisou que a mudança de função das mulheres não está relacionada à admissão de um grande número de mulheres da Europa à organização, pois a troca de obrigações foi realizada mais anteriormente.

    O especialista egípcio acredita que o "recrutamento ativo de mulheres às organizações terroristas está relacionado com a falta gritante de homens devido à guerra de grande escala contra o terrorismo, que está sendo realizada ao mesmo tempo e de vários lados".

    Ele sublinhou que hoje em dia os serviços de segurança devem monitorar mais atenciosamente as mulheres que estão mais ativamente realizando funções terroristas dentro das organizações criminosas. "Elas devem ser tratadas psicologicamente para que seja 'tirado o lixo de suas cabeças' após os campos do Daesh", acredita Fargali.

    A correspondente da Sputnik Árabe no Iraque, Nazek Muhammed, assinalou que no país, a transformação do papel da mulher no Daesh é perceptível.

    "Inicialmente, mulheres eram utilizadas como instrumento para atrair jovens às organizações terroristas. As estrangeiras eram consideradas as mais atrativas. Eram esposas e donas de casa tradicionais. Contudo, as grandes perdas de terroristas homens fizeram com que seus líderes revessem o papel das mulheres e começassem posteriormente a prepará-las para substituir os terroristas mortos. Elas estão combatendo em pé de igualdade com os homens." 

    Nazek revelou que geralmente mulheres não desejam colaborar com o Daesh.

    "Nas províncias de Anbar, Mossul e Salah-ad-Din terroristas não conseguem recrutar mulheres. Somente prostitutas, ameaçadas de pena de morte pelos terroristas, concordaram em aderir [ao Daesh]." 

    De acordo com os dados da revista online russa Nova Abordagem Oriental, das 40 mil contas nas redes sociais que apoiam as ações do Daesh, 16 mil pertencem a mulheres. Elas agem como divulgadoras principais da propaganda do Daesh e procuram novos participantes.

    Por enquanto, na luta contra o Daesh na Internet são utilizados somente sites e comunidades fechados nas redes sociais. Segundo Maher Fargali, para uma luta mais eficaz contra o terrorismo na Internet é necessário juntar esforços de vários países.

    "No momento, 70 livros que explicam bases e princípios da atividade extremista estão à disponibilidade de todos, o que ajuda a recrutar novas pessoas. Enquanto isso, na Internet não há nenhum livro que explique como os terroristas mentem ao citar o Alcorão e Suna."

    Mais:

    6 bombardeiros da Força Aeroespacial russa atacam Daesh na Síria
    Bombardeiros estratégicos russos lançam ataques contra Daesh em Deir ez-Zor
    EUA: secretário de Estado discute esforços contra o Daesh com embaixador russo
    Tags:
    mulher, Daesh, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik