04:11 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    A aeronave da Força Aerospacial da Rússia na base aérea em Hmeymim, Síria (foto de arquivo)

    Rússia: Daesh controla menos de 5% do território da Síria

    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3100

    Sergei Shoigu, ministro da Defesa russo, afirmou esta terça-feira (24), que a parte do território da Síria que está sob controle dos terroristas do Daesh (organização proibida na Rússia e em vários outros países) é menos de 5%.

    "Hoje em dia o Daesh está controlando menos de 5% [do território da Síria]. Quando a Força Aeroespacial russa iniciou a operação no país árabe, os terroristas controlavam mais de 70% do território", afirmou Shoigu durante uma reunião dos ministros da Defesa dos países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, sigla em inglês) e parceiros de diálogo. 

    De acordo com ele, durante estes dois anos a aviação russa eliminou 948 campos de treinamento, 666 fábricas e oficinas de manutenção, bem como 1.500 unidades de equipamento bélico dos terroristas.

    "Foram libertados 998 cidades e povoados. No total, o território libertado é de 503.223 mil quilômetros quadrados. A maior parte dos terroristas foi eliminada. Se iniciou a recuperação da vida pacífica no país. Desde 2015, quando a operação da Força Aeroespacial da Rússia começou, 1.12 milhão de pessoas regressaram a casa. Em 2017, foram 660 mil", assinalou Shoigu.

    Segundo ele, em resultado da ação do Centro russo para a Reconciliação na Síria, 2.500 povoados por todo o país já se juntaram ao processo de reconciliação. 

    Mais:

    Opinião: EUA prejudicam própria reputação acusando a Rússia de ataques na Síria
    Deputado russo considera pouco provável que Rússia se retire da Síria em 2017
    Método de Israel: bombardear Síria para fazer amizade com Rússia
    Tags:
    liberação, terrorismo, Daesh, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Sergei Shoigu, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar