19:38 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Lançamento de um míssil balístico pelo Irã

    Guarda do Irã: programa de mísseis 'se expandirá e continuará' apesar da pressão dos EUA

    © AP Photo/ Amir Kholousi / ISNA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    247490

    O Irã não cederá à pressão dos Estados Unidos e está determinado a "expandir e continuar" com o seu programa de mísseis, divulgou nesta quinta-feira o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC).

    "O programa de mísseis balísticos do Irã se expandirá e continuará com mais velocidade em reação à abordagem hostil de [Donald] Trump para esta organização revolucionária", afirmou a força em um comunicado publicado pela Tasnim, por sua vez citada pela Agência Reuters.

    Na sexta-feira, o presidente estadunidense Donald Trump optou por não recertificar o acordo nuclear, firmado em 2015 pela administração anterior de Barack Obama e as potências mundiais, incluindo a Rússia, França, Alemanha, Reino Unido e China. Em vez disso, o republicano enviou o assunto para o Congresso dos EUA, que pode levar à saída de Washington do documento. O movimento desencadeou imediatamente um protesto de outros signatários.

    Na segunda-feira, o ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, disse que esperava que "o Congresso não coloque esse acordo em perigo". Imediatamente após a decisão de Trump, os representantes da França e da Alemanha (que estão entre as partes do acordo) alertaram imediatamente que o acordo deveria ser mantido, reafirmando seu compromisso com ele.

    A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) também reiterou sua confirmação de que Teerã não está violando suas obrigações. A chefe da política externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, observou que o acordo de 2015 não é "um acordo bilateral, que não pertence a nenhum país e que não cabe a nenhum país para denunciá-lo".

    Moscou condenou a recusa de Trump em recertificar ao acordo nuclear do Irã, dizendo que o movimento representa uma ameaça para a segurança internacional. "Essa política de fato causa um duro golpe aos esforços globais de não proliferação", disse Mikhail Ulyanov, chefe do Departamento de Não-Proliferação e Controle de Armas do Ministério de Relações Exteriores da Rússia.

    Irã promete não ceder

    Essas preocupações parecem ter caído em ouvidos surdos, já que Trump observou que uma rescisão total do acordo nuclear do Irã era uma possibilidade muito real. O tenente-comandante do IRGC, Hossein Salami, disse que Washington busca há muito tempo isolar o Irã da comunidade internacional, mas os comentários recentes do líder americano tiveram o efeito oposto, isolando Washington do resto do mundo.

    Falando em uma reunião das forças do IRGC em Teerã na quarta-feira, o general de brigada Salami referiu-se aos movimentos hostis dos EUA contra a República Islâmica nas últimas quatro décadas, dizendo que todos esses movimentos acabaram em fracasso, informou a Tasnim.

    O ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, notou na semana passada que a decisão da Trump de não re-certificar o tratado nuclear de 2015 só irá prejudicar a credibilidade de Washington, já que "ninguém mais confia em nenhuma administração dos EUA para se engajar em qualquer negociação de longo prazo porque a duração de qualquer compromisso com qualquer administração dos EUA seria o restante do mandato desse presidente".

    O tratado histórico foi negociado no verão de 2015 pela Rússia, França, EUA, China, Reino Unido e Alemanha — assim como o Irã. Nos termos do acordo, em troca do levantamento gradual das sanções, Teerã concordou em reduzir o número de suas centrífugas de enriquecimento de urânio em dois terços, reduzir o seu enriquecimento abaixo do nível necessário para o material de grau de armas, reduzir o seu urânio enriquecido estoques em 98% e permitem inspeções internacionais.

    Mais:

    EUA podem empurrar o mundo para uma guerra nuclear se romperem acordo com Irã
    Trump reforça 'chance real' de deixar acordo com Irã e especialista alerta: 'equivocado'
    Como tensão crescente entre EUA e Irã afeta mercado do petróleo
    Tags:
    diplomacia, programa nuclear iraniano, armas nucleares, Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, acordo nuclear, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Mikhail Ulyanov, Jean-Yves Le Drian, Hossein Salami, Mohammed Javad Zarif, Donald Trump, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik