15:25 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldado turco na fronteira entre Turquia e Iraque. Foto de arquivo

    Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

    © AFP 2017/ MUSTAFA OZER
    Oriente Médio e África
    URL curta
    167561

    A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.

    Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano possa desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.

    "Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

    O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

    Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

    Em 2014, as tropas peshmerga curdas libertaram a província Kirkuk, rica em petróleo, do Daesh. Desde então, a região tem sido controlada pelas autoridades curdas e forças peshmerga. O premiê do Iraque, Haider al-Abadi, obteve autorização do parlamento para deslocar tropas para Kirkuk após o referendo pela independência curdo, realizado em 25 de setembro e que Bagdá qualificou como ilegal. Kirkuk, apesar de não fazer parte do Curdistão iraquiano, também participou da votação.

    Mais:

    Coalizão internacional: combate entre iraquianos e curdos em Kirkuk 'foi um mal-entendido'
    Peshmerga: governo iraquiano pagará caro pela operação em Kirkuk
    Forças iraquianas atacam posições curdas em Kirkuk utilizando equipamento dos EUA
    Tags:
    Peshmerga, Kirkuk, Turquia, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik