22:19 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14146
    Nos siga no

    O comandante sênior da Força Quds do Irã avisou que qualquer ação contra seu país será "lamentada", enfatizando que Teerã "enterrou muitos como [o presidente dos EUA Donald] Trump" e sabe "lutar contra a América", de acordo com a agência de notícias Tasnim, como citado pela Agência Reuters.

    "Nós não somos um país de guerra. Mas qualquer ação militar contra o Irã gerará arrependimento. As ameaças de Trump contra o Irã vão prejudicar a América. Nós enterramos muitos como Trump e sabemos como lutar contra a América", disse Esmail Ghaani, vice-chefe da Força Quds, um braço no exterior do poderoso Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), informou a Reuters, citando a agência de notícias Tasnim.

    O IRGC é a entidade de segurança mais poderosa do Irã e controla grandes partes da economia do país, além de ter uma influência significativa sobre o seu sistema político.

    Isso ocorre apenas dois dias depois que o ministro de Relações Exteriores do Irã ter advertido sobre uma resposta difícil se o presidente dos EUA, Donald Trump, continuar com ameaças para destruir um acordo nuclear assinado sob o governo Obama, em 2015.

    Falando durante uma sessão fechada do Parlamento na quarta-feira, Mohammad Javad Zarif disse aos legisladores que o Irã "nunca renegociará" o acordo negociado entre Teerã e seis potências mundiais, informou a agência de notícias Fars.

    Enquanto isso, líderes mundiais e outros funcionários pediram que Trump não deixe o acordo, com o ministro alemão de Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, afirmando na quinta-feira que "um término do acordo do Irã transformaria o Oriente Médio em uma região de crises fortes".

    A primeira-ministra britânica Theresa May também exortou Washington a re-certificar o acordo, chamando-o de "vital importância para a segurança regional".

    A França também pediu que Trump fique no acordo, com o presidente Emmanuel Macron dizendo anteriormente que seria um "grande erro" para os EUA se retirarem e arriscassem fazer com que o Irã entre em uma "situação muito parecida com a situação da Coreia do Norte".

    O presidente dos EUA há muito criticou o acordo, chamando-o de "o pior negócio já negociado". Ele reiterou esses pensamentos na quarta-feira, dizendo ao anfitrião da Fox News, Sean Hannity, que "foi um dos acordos mais incompetentemente feitos que já vi".

    O prazo de reenvio de Trump para o acordo do Irã é 15 de outubro. A re-certificação faz parte da Lei de Revisão do Acordo Nuclear do Irã (INARA), aprovada pelo Congresso dos EUA em maio de 2015, o que exige que o presidente certifique todos os 90 dias que o Irã está cumprindo.

    Se o Trump optar por descertificar o acordo, ele ainda permanecerá intacto. No entanto, ele colocaria essencialmente a decisão sobre o que fazer nas mãos do Congresso. Os legisladores teriam então a opção de considerar medidas adicionais, como sanções.

    Mais:

    Moscou lamenta a decisão de Trump de não certificar acordo nuclear com o Irã
    Trump não certifica acordo nuclear com o Irã e acusa Teerã de 'patrocinar o terrorismo'
    EUA anunciam sua decisão quanto ao acordo nuclear com o Irã
    Tags:
    acordo nuclear, diplomacia, guerra, Quds, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Mohammed Javad Zarif, Donald Trump, Esmail Ghaani, Oriente Médio, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar