02:07 24 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    News conference by Avigdor Lieberman at ITAR-TASS

    Israel se prepara para uma guerra 'de várias frentes' no Oriente Médio, diz ministro

    © Sputnik/ Anton Denisov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    275594616

    O ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, disse na terça-feira que o Exército libanês faz hoje parte da milícia xiita do Hezbollah e advertiu que se uma guerra eclodir na fronteira libanesa, a disputa também se estenderia para a fronteira da Síria.

    "O Exército libanês perdeu sua independência e tornou-se parte integrante da rede Hezbollah", disse Lieberman em uma manifestação militar realizada na ocasião da festa judaica de Sukkot.

    De acordo com o funcionário, Israel está se preparando para possíveis confrontos na fronteira libanesa, que é vista em termos militares como uma fronteira tripla entre a Síria, o Líbano e Israel. Lieberman disse que, se uma guerra explodir, não haverá uma única frente.

    "Estamos nos preparando para todas as possibilidades e mudanças de realidade, se uma nova guerra explodir, será uma batalha em duas frentes: a fronteira com a Síria e o Líbano, se no passado estivéssemos falando sobre o setor libanês, agora nos referimos à fronteira norte", ele acrescentou.

    Fontes militares israelenses reiteraram nos últimos tempos que as chances de uma nova guerra nesta fronteira do norte são pequenas, mas, ao mesmo tempo, admitiram que qualquer incidente pode degenerar rapidamente para um confronto.

    "Qualquer passo contra o Estado de Israel nos forçará a mostrar a força e as capacidades do nosso exército, nossos esforços visam prevenir uma guerra, mas no atual Oriente Médio, as regras mudam e a realidade é muito frágil, tudo pode mudar durante a noite", acrescentou Lieberman.

    As autoridades israelenses expressaram sua preocupação com o armamento do Hezbollah e a crescente presença do Irã em torno da fronteira israelo-libanesa.

    Os militares de Israel acreditam que o Hezbollah tem entre 100.000 e 120.000 mísseis e foguetes de curto e médio alcance, bem como vários centos de mísseis de longo alcance, com mísseis de alcance médio capazes de chegar a Tel Aviv.

    Israel e Hezbollah travaram sua última guerra em 2006, que terminou com uma resolução da ONU pedindo o desarmamento da milícia libanesa, a retirada de Israel do sul do Líbano para que uma missão de paz da ONU e o Exército libanês pudessem ser implantados.

    No entanto, o Exército israelense considera que Hezbollah aumentou seu arsenal graças à ajuda iraniana e à guerra na Síria, na qual eles apoiam as tropas de Bashar Assad. Além de contar foguetes e mísseis, a milícia poderia mobilizar cerca de 30 mil combatentes em caso de guerra, de acordo com fontes israelenses.

    Israel procurou evitar se envolver na guerra civil síria, mas reconhece a realização de dezenas de ataques aéreos para parar o que diz serem entregas de armas avançadas para o Hezbollah.

    Mais:

    Israel apoia referendo curdo 'para criar novos conflitos e desestabilização' na região
    EUA e Israel querem caos no Oriente Médio com 'fracasso do projeto Daesh', diz Hezbollah
    ONU: Israel mantém alta taxa de construção de assentamentos ilegais
    Tags:
    mísseis, inimigo, guerra, xiitas, Hezbollah, Bashar Assad, Avigdor Lieberman, Oriente Médio, Síria, Líbano, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik