19:38 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Militares americanos e rebeldes do Maghaweer al-Thawra, apoiado pelos EUA, em Al Tanf, no sul da Síria

    Damasco acusa a Arábia Saudita de fornecer mísseis antitanque a terroristas na Síria

    © AP Photo/ Hammurabi's Justice News
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7120

    O Ministério da Defesa sírio atribui à Arábia Saudita os estoques de mísseis antitanques fabricados nos EUA e que estão nas mãos de terroristas na Síria, informou a agência Sana nesta terça-feira.

    "Depois que a administração do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, levantou a proibição do fornecimento de armas, a Arábia Saudita comprou 15.000 mísseis antitanque por US$ 1 bilhão […] detectamos essas armas anti-tanques na Síria em 2014, onde foram usados pelos terroristas contra o exército sírio", diz a nota ministerial.

    De acordo com dados do departamento militar da Síria, os suprimentos para terroristas foram realizados através de vários canais com a ajuda de empresas da Europa Oriental ligadas aos serviços de segurança dos EUA ou da OTAN.

    As armas, disse ele, foram entregues à Turquia ou à Arábia Saudita a partir de portos europeus ou a base aérea de Ramstein, sede das Forças Armadas dos EUA no território da Alemanha.

    O ministério disse que o Daesh, a Frente al-Nusra e outros grupos terroristas receberam mísseis, rifles de assalto, metralhadoras, canhões anti-aéreos, até mesmo tanques em troca de petróleo extraído de poços capturados pelos terroristas na Síria e no Iraque.

    Na segunda-feira, o chefe da Direcção de Operações do Exército Árabe Sírio, o general Ali al Ali, declarou que os fornecimentos de armas dos EUA para os rebeldes na Síria acabaram nas mãos do Daesh e da Frente al-Nusra.

    De acordo com o general, os EUA enviaram aos grupos insurgentes na Síria 1.421 caminhões de armas e material de guerra entre 5 de junho e 15 de setembro.

    Um funcionário do Pentágono disse à RIA Novosti que "essas declarações são absolutamente absurdas, não correspondem à realidade e representam uma campanha de propaganda da Rússia e o regime [sírio] destinada a desacreditar os EUA e a luta bem sucedida da coligação contra o Daesh na Síria".

    A Síria vive um conflito armado desde março de 2011, em que as tropas governamentais enfrentam grupos de oposição armados e organizações terroristas.

    As hostilidades causaram mais de 400 mil mortes, segundo estimativas do enviado especial da ONU, Staffan de Mistura.

    Mais:

    Rússia realiza 182 ataques aéreos na Síria, eliminando mais de 100 terroristas
    'Força Aeroespacial da Rússia destruiu infraestrutura econômica do Daesh' na Síria
    Hezbollah acusa EUA de proteger Daesh dos ataques da Síria
    Tags:
    diplomacia, cooperação, mísseis antiaéreos, guerra síria, crise síria, ONU, OTAN, Pentágono, Frente al-Nusra, Daesh, Turquia, Estados Unidos, Arábia Saudita, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik