00:43 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Aviação russa realiza ataques localizados contra instalações dos terroristas na Síria

    Força Aeroespacial russa elimina 12 chefes de guerra da Frente al-Nusra na Síria

    Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13330

    Em resultado de uma operação especial do Ministério da Defesa russo na Síria foram liquidados diversos comandantes do grupo terrorista Frente al-Nusra (proibido na Rússia e nos outros países), comunicou o representante oficial do Ministério da Defesa russo Igor Konashenkov.

    De acordo com a informação de várias fontes não identificadas, o chefe do grupo, Abu Mohammad al-Julani, perdeu um braço e está em estado grave. 

    "Em 3 de setembro o reconhecimento militar russo soube da data e do lugar da reunião dos comandantes da Frente al-Nusra com o líder do grupo, Abu Mohammad al-Julani. Foram enviados caças Su-34 e Su-35 da aviação russa na Síria para eliminar o alvo", informou o representante do Ministério da Defesa russo Igor Konashenkov.

    Konashenkov acrescentou que a aviação russa eliminou 12 comandantes de guerra da Frente al-Nusra, incluindo o ajudante mais próximo de al-Julani, o chefe do serviço de segurança do grupo.

    "Junto com uma numerosa guarda (cerca de 50 pessoas) também foram eliminados 12 chefes de guerra da Frente al-Nusra, inclusive o chefe do serviço de segurança do grupo, Ahmad al-Giza", precisou ele.

    Nos últimos dois anos, o exército sírio, com o apoio da Força Aeroespacial da Rússia, conseguiu libertar uma grande parte do país. De acordo com as avaliações recentes do Ministério da Defesa russo, a Força Aeroespacial da Rússia destruiu quase uma centena de milhar de alvos terroristas desde o início da operação.

    Mais:

    Força Aeroespacial russa elimina 304 terroristas do Daesh na Síria
    Opinião: comandantes russos na Síria estão se tornando alvos de 'caça'
    Tags:
    comandante, grupo, alvo, terroristas, ataque, segurança, Frente al-Nusra, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik