03:35 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado do exército sírio hasteia a bandeira nacional do seu país durante uma batalha com jihadistas em Aleppo, Síria

    Mais de 89% do território da Síria está livre do Daesh

    © AP Photo / Hassan Ammar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9261
    Nos siga no

    Nos últimos dois anos, o exército da Síria, com apoio da Força de Defesa Aeroespacial Russa, libertou mais de 89% do território sírio do Daesh, informou o ministério da Defesa da Rússia nesta sexta-feira.

    Um Tu-22M3 decola da base aérea de Hmeymim
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    Durante esse tempo, a aviação russa realizou mais de 30 mil missões, mais de 92 ataques aéreos e destruiu alvos e infraestrutura terrorista.

    Segundo o jornal oficial do ministério da Defesa da Rússia, Krasnaya Zvezda, mais de 89% do território foi liberado de terroristas do Daesh. Além disso, mais de 5295 hectares do país foram desminados por forças russas, que desarmaram mais de 60 mil explosivos.

    O vale do Rio Efrates é a última grande região ainda sob o controle do Daesh. Apesar disso, as tropas de Damasco, com apoio russo, têm realizado ofensivas com sucesso no local durante as últimas semanas. 

    O conflito na Síria, entre as tropas do governo e diversos grupos armados, dura desde março de 2011. A oposição mais ativa ao Damasco era feit por combatentes dos grupos terroristas Daesh e Frente al-Nusra. 

    Em 30 de setembro de 2015, o presidente da Síria, Bashar Assad, solicitou ajuda militar à Rússia, que durante os últimos dois anos vem apoiando os esforços de Damasco para retomar o controle do país.

    Mais:

    Especialista turco: Rússia salvou Síria da cisão
    Analista sobre 'perdas' da Rússia na Síria: Daesh precisa ao menos de vitórias virtuais
    Sapadores russos começam a desminar cidade síria de Deir ez-Zor
    Aviação russa destruiu 1310 alvos terroristas na Síria esta semana
    Tags:
    Daesh, Ministério da Defesa (Rússia), Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar