13:07 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Militar iraquiano em Kirkuk (foto de arquivo)

    Parlamento iraquiano autoriza envio de tropas à zona petrolífera disputada de Kirkuk

    © REUTERS / Ako Rasheed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5121

    De acordo com a mídia, o Parlamento do Iraque autoriza o primeiro-ministro a enviar tropas à zona petrolífera disputada de Kirkuk.

    Na sequência da decisão dos deputados iraquianos, tomada nesta quarta-feira (27), ao premiê do país, Haider al-Abadi, foi atribuído o direito de enviar tropas à zona petrolífera disputada na província do norte Kirkuk, ocupada pelo Curdistão iraquiano.

    Nesta segunda-feira (25), na região autônoma do Curdistão iraquiano foi realizado um referendo sobre a independência da região, inclusive nas zonas que, de acordo com a constituição do Iraque, não fazem parte da região autônoma, em particular, na província petrolífera de Kirkuk.

    "O comandante-em-chefe das Forças Armadas se encarrega de tomar todas as medidas constitucionais e legais para defender a integridade do Iraque e proteger seus cidadãos, ordenar às estruturas de segurança para regressar a todas as zonas disputadas, em particular a Kirkur, e posicionar suas tropas de acordo com a situação anterior a 10 de julho de 2014", se lê no documento que a Sputnik recebeu.

    Os curdos ocuparam áreas de Kirkuk a fim de lutar contra a organização terrorista Daesh (proibida na Rússia e em vários outros países).

    Os resultados oficiais do referendo no Curdistão iraquiano serão divulgados nesta quinta-feira (28). As autoridades do Iraque qualificaram o referendo de ilegítimo e frisaram que não vão realizar conversações com o governo regional da autonomia na sequência dos resultados. Contra a votação também se expressaram vizinhos do Curdistão – a Turquia e o Irã, e também os EUA e a ONU.

    Por sua vez, as forças de segurança da província iraquiana de Kirkuk não permitirão ao exército do país entrar em seu território, afirmou à Sputnik seu governador, Najmiddin Karim.

    "Não tem nenhuma necessidade de introduzir o exército", frisou este. "Nós nos lembramos da posição dele, quando estava em tais regiões como Mossul, Al-Hawija, Ramadi, como eles desapareceram com a chegada do Daesh. Nós, em Kirkuk, confiamos em nossas forças de segurança, que incluem: Peshmerga [combatentes do exército curdo], Asayish [serviço de segurança curdo] e a polícia", afirmou o governador da província.

    Mais:

    Analista russo: na base em Djibuti China levou em conta experiência do Iraque e Síria
    Tensão: Iraque e Turquia realizam manobras de fronteira em meio ao referendo no Curdistão
    Damasco: separatismo curdo na Síria e no Iraque é estimulado pelos EUA
    Tags:
    integridade, envio, independência, referendo, tropas, Curdistão iraquiano, Kirkuk, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik