08:00 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados russos ao lado de comboio humanitário em Aleppo, na Síria, em 4 de dezembro de 2016

    Mídia: Rússia dá xeque-mate nos EUA na questão síria

    © AP Photo/ Hassan Ammar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    187496693

    Em 2 anos de "intervenção" da Rússia na Síria, Vladimir Putin cumpriu de fato todos os objetivos colocados, comunica a Forbes.

    De acordo com a edição, o presidente russo não mergulhou no "pântano sírio", tendo pelo contrário conseguido reforçar as posições de Moscou na região e no mundo.

    Daqui a pouco assinalar-se-ão os dois anos desde que a Rússia "interviu" na Síria, o que salvou o presidente Bashar Assad do inevitável afastamento. Agora, em muito devido a Vladimir Putin, o presidente sírio encontra-se em condições mais favoráveis desde o início de protestos em 2011, escreve a Forbes, citada pelo RT

    O presidente russo ajudou o líder sírio, fornecendo armas, defendendo-o no Conselho de Segurança, apoiando a economia e o exército da Síria. Mas a "intervenção" direta da Rússia na Síria alterou completamente o cenário do jogo.

    "Em resultado, Putin alcançou na Síria praticamente tudo o que queria. Graças a ele Assad preservou o cargo e Putin reforçou a presença militar russa na Síria, pelo menos para os próximos 49 anos […] Consequentemente, Putin também diminuiu as possibilidades de manobra dos EUA na região e fortaleceu a influência de Moscou em um dos países estrategicamente mais importantes no Oriente Médio", informa a Forbes, citada pelo RT.

    As ações da Rússia levaram ainda a que adversários tradicionais do povo sírio, como o presidente turco Erdogan, começassem a ter em conta a opinião de Moscou sobre Assad.

    Mas, de acordo com a Forbes, o ponto mais importante para Putin é que agora ele pode cooperar com o Ocidente nas suas condições. Vladimir Putin contribuiu para que a Rússia seja vista como uma potência mundial, que conseguiu através da mediação alcançar os acordos de paz no Sudeste da Síria. 

    Isso levou a que os dois aliados principais dos EUA na região – Israel e Jordânia –  agora se vejam obrigados a negociar com a Rússia as questões importantes para a segurança nacional dos EUA. Além disso, de acordo com a edição, começando a cooperar com Moscou na questão síria, os EUA agora também assumem a responsabilidade moral pelos ataques aéreos.

    Além disso, escreve a Forbes, o presidente russo utilizou a Síria para mostrar as capacidades das armas russas, o que levou ao aumento das suas exportações. As empresas energéticas russas já planejam reconstruir a infraestrutura do país. 

    De acordo com a edição, na véspera das eleições de 2018 Vladimir Putin tenta demonstrar a derrota do Ocidente através "da mídia controlada pelo Kremlin". 

    Quanto às relações com Washington, Moscou quer criar uma imagem de ser a voz da razão, afirmando que é o Ocidente que está seguindo um discurso não construtivo.

    Mais:

    'Rússia é mais sincera e coerente na Síria do que EUA'
    Rússia, Israel e EUA tiveram reuniões secretas sobre Síria, diz mídia
    Tags:
    capacidade militar, posições, presença, reforço, opinião, política, Forbes, Vladimir Putin, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik