02:07 24 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Bandeira israelense perto de assentamentos judaicos na Cisjordânia

    ONU: Israel mantém alta taxa de construção de assentamentos ilegais

    © AP Photo/ Bernat Armangue
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1089174

    O enviado das Nações Unidas para o Oriente Médio, Nikolai Mladenov, informou que Israel segue construindo de maneira acelerada novos assentamentos ilegais em áreas disputadas com a Palestina, apesar dos pedidos do Conselho de Segurança da ONU para que esse processo seja suspenso.

    Em declarações ao Conselho, Mladenov acusou o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de utilizar uma retórica provocadora para amentar a quantidade de assentamentos. De acordo com o enviado, de junho a setembro, a maior parte das novas construções se concentrou em Jerusalém Oriental, com planos para 2.300 novas unidades de habitação, aumento de 30% em relação ao ano passado.

    "As atividades ilegais de assentamentos de Israel continuaram a uma alta taxa, um padrão consistente ao longo do ano", afirmou o funcionário das Nações Unidas. 

    Há nove meses, o Conselho de Segurança da ONU adotou uma resolução exigindo o fim dos assentamentos israelenses. Na ocasião, os Estados Unidos, ainda sob administração do presidente Barack Obama, não utilizaram o seu poder de veto para barrar o projeto, preferindo a abstenção. Segundo a organização, os assentamentos de Israel em território considerado palestino são ilegais do ponto de vista do direito internacional e inviabilizam uma solução pacífica, de dois Estados, para a região. 

    Mais:

    Oposição: 'Netanyahu recuou na questão dos assentamentos por medo de perder o poder'
    Merkel cancela a cúpula com Israel após votação legalizar assentamentos na Cisjordânia
    Erdogan: Aceleração da construção de assentamentos é 'provocação absoluta' de Israel
    Trump manda recado 'sutil' a Israel contra construção de novos assentamentos na Palestina
    Tags:
    ONU, Nikolai Mladenov, Barack Obama, Benjamin Netanyahu, EUA, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik