03:26 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Mulheres sauditas deixam uma assembleia de voto depois de votarem nas eleições municipais, em Riade, Arábia Saudita, 12 de dezembro de 2015

    Clérigo saudita sugere que mulheres 'só têm um quarto do cérebro' (VÍDEO)

    © REUTERS / Faisal Al Nasser
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11110
    Nos siga no

    Um clérigo saudita afirmou que as mulheres não merecem dirigir no país árabe porque só possuem uma quarta parte de um cérebro. Como resultado, o xeque Saad Al-Hijri foi banido de desempenhar seus deveres religiosos por causa de seus comentários ultrajantes.

    Al-Hijri fez suas observações preconceituosas em uma palestra intitulada "Os males das mulheres dirigindo". Na Arábia Saudita, as mulheres são proibidas de dirigir, e muitas que tentam descumprir a regra acabam atrás das grades em uma nação notoriamente conservadora.

    De acordo com o clérigo, as mulheres "só têm metade do cérebro para começar", mas, quando tentam avaliar as compras em suas mentes fracas, essa metade continua e eles "acabam com apenas um quarto", como o xeque foi citado pelo jornal Jerusalem Post.

    Um vídeo das reflexões sexistas de Al-Hijri circulou nas redes sociais, provocando uma reação de muitos no reino que usaram o hashtag "Al-Hijri diz que as mulheres têm um quarto de cérebro" para expressar sua raiva.

    "Ela ficou grávida dele, deu-o à luz, o criou e passou noites sem dormir para ele crescer e agora a chamar de mulher com um quarto de cérebro. Ele e os seus semelhantes devem ser proibidos de aparecer em qualquer lugar", escreveu um internauta furioso.

    "Eu juro por Deus, aqueles que têm um quarto de cérebro são você e seus gostos que lhe entregaram plataformas para oferecer pontos de vista de linha dura. É a mulher que levanta o homem e ela é o núcleo do sucesso", disse outro.

    A Arábia Saudita, uma monarquia absolutista que tem polêmicos assentos no Conselho dos Direitos Humanos da ONU e na Comissão de Direitos da Mulher, tem sido criticada pelo tratamento da população feminina do reino.

    Tão irônico quanto isso é a existência de um movimento que surgiu para, de acordo com Riad, corrigir isso: o governo estabeleceu um "conselho de menina", composto unicamente por homens que “conhecem melhor a causa”.

    Mais:

    Arábia Saudita 'financiou o ensaio' do 11 de Setembro, mostram documentos do FBI
    Presidente do Irã acusou Arábia Saudita de apoiar terroristas no Iêmen e na Síria
    Pacto armamentista entre EUA e Arábia Saudita por US$ 110 bilhões imediatos é ou não real?
    Tags:
    direitos das mulheres, machismo, preconceito, sexismo, ONU, Saad Al-Hijri, Riad, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar