21:36 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    230
    Nos siga no

    Na quinta-feira (22), o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, comentou em uma entrevista à Reuters que seu país instalará tropas na zona de Idlib, cidade ao norte da Síria.

    A medida faz parte do acordo firmado no mês passado com a Rússia que visa diminuir o nível de tensões no país árabe.

    O líder turco assinalou que as zonas de desescalada, previstas pelo acordo entre a Turquia, Rússia e Irã, serão discutidas com o presidente russo, Vladimir Putin, durante sua visita a Ancara na semana que vem. 

    "Segundo o acordo, os russos vão manter a segurança fora de Idlib, enquanto a Turquia – dentro da zona de Idlib", assegurou Erdogan.

    "A tarefa não é fácil", frisou o presidente, acrescentando que "ainda vamos discutir com Putin os passos adicionais que devem ser dados para erradicar os terroristas de uma vez por todas em busca da paz".

    Idlib, quarta zona de desescalada

    Desde o início de maio, vêm sendo abertas quatro zonas de desescalada no país árabe, devastado pela guerra. O acordo sobre essas zonas foi firmado na capital do Cazaquistão, Astana, pelos representantes da Rússia, Irã e Turquia.

    Até agora, apenas três zonas estão funcionando: a norte da cidade de Homs, em um subúrbio de Damasco – na área de Ghouta Oriental, e também na fronteira sírio-jordaniana, na província de Daraa. A quarta zona inclui a província de Idlib, bem como as partes das províncias vizinhas como Aleppo, Latakia e Hama.

    Nesta sexta-feira (22), a Rússia apresentou no Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução sobre as zonas de desescalada na Síria.

    Mais:

    Opinião: Turquia começa a se orientar para Rússia em vez da OTAN
    Turquia compra sistemas de defesa antiaérea russos S-400
    Merkel defende acordo migratório e comenta adesão da Turquia à União Europeia
    Tags:
    zona de desescalada, colaboração, terrorismo, Recep Tayyip Erdogan, Idlib, Turquia, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar