00:47 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa antiaérea de mísseis do Irã

    Analistas: Trump ataca acordo nuclear porque busca uma guerra com o Irã

    © AP Photo / Ministério da Defesa do Irã
    Oriente Médio e África
    URL curta
    723

    O presidente dos EUA, Donald Trump, e a embaixadora das Nações Unidas, Nikki Haley, mentiram nesta semana que o Irã violou o seu acordo nuclear porque, na verdade, os Estados Unidos querem iniciar uma guerra com Teerã, disseram analistas à Sputnik.

    Em seu primeiro discurso na Assembléia Geral da ONU na terça-feira, Trump chamou o acordo nuclear, conhecido como o Plano Conjunto Conjunto de Ação (JCPOA, na sigla em inglês), de "embaraço" e um dos piores negócios em que os Estados Unidos já entraram.

    Na quarta-feira, Haley disse ao programa Good Morning America, da rede ABC, que Trump acredita firmemente que o Irã estava violando o acordo ao realizar testes de mísseis balísticos e prestar apoio aos terroristas.

    Alegações falsas

    Trump e Haley tiveram segundas intenções ao alegarem que o Irã violou o acordo, afirmou nesta quarta-feira Muhammad Salimi, analista do Oriente Médio e professor de engenharia química e ciência dos materiais na Universidade do Sul da Califórnia.

    "Antes de tudo, Trump é um constrangimento para a humanidade, não apenas para os Estados Unidos. Em segundo lugar, ele e Haley estão ambos mentindo", disse Salimi. "O JCPOA não teve nada a ver com o programa de mísseis do Irã, ou a presença do Irã no Iraque e na Síria. Não há uma única palavra no JCPOA sobre qualquer um deles".

    Mesmo o Conselho de Segurança da ONU apenas "exorta" o Irã a abster-se do teste de mísseis, salientou Salimi. "O que os EUA sempre quiseram tem sido um Irã indefeso para que possam atacá-lo à vontade", disse ele.

    Enquanto o Irã estava se preparando para se defender, os Estados Unidos continuaram a armar as nações que Teerã temia — Arábia Saudita e Israel – ao máximo com sistemas agressivos de armas, lembrou Salimi.

    Os Estados Unidos "venderam mais de US$ 200 bilhões em armas para a Arábia Saudita e as nações árabes do Golfo Pérsico, sem mencionar os mais de US$ 3 bilhões em ajuda militar que fornece a Israel anualmente", disse ele.

    A administração do Trump queria continuar a política tradicional dos Estados Unidos de estimular os temores regionais do Irã, a fim de assustar as nações do Oriente Médio na compra de grandes quantidades de armas caras adicionais dos contratados de defesa dos EUA, explicou Salimi.

    Trump também estava tentando forçar as principais nações europeias a assumir um papel subordinado ao também abandonar o acordo nuclear de 2015 e forçá-los a deixar de investir na economia iraniana, observou Salimi.

    Lobby da guerra anti-Irã

    As ameaças de Trump na ONU na terça-feira confirmaram que ele está unido com o lobby da guerra dos EUA que queria um conflito em grande escala com o Irã, disse ao Sputnik o autor e ativista político David Swanson.

    "As pessoas em Washington querem uma guerra contra o Irã e continuam esperando por alguma desculpa. Um tipo de desculpa seria uma afirmação plausível de que o Irã havia de alguma forma violado o acordo", disse ele.

    No entanto, esse argumento tinha sido exposto como sem mérito, então Trump estava tentando avançar e eliminar o acordo de 2015 sem qualquer justificativa de qualquer maneira, observou Swanson.

    "De fato os EUA não estão defendendo o acordo sobre alívio de sanções e, uma vez que nenhuma desculpa boa está se materializando, Trump e seus generais estão inclinados a simplesmente declarar o acordo não é bom e contar com o resto do mundo para se curvar antes o trono imperial", disse ele.

    No entanto, o JCPOA ainda poderia ser salvo se a opinião pública dos EUA e os governos de todo o mundo expressassem seu apoio, afirmou Swanson.

    O Irã provavelmente atrairia a opinião mundial para tentar mobilizar o apoio ao acordo nuclear, sugeriu Swanson.

    Na quarta-feira, Trump disse que tinha decidido se deveria deixar o acordo Six Plus One com Teerã negociado pelo governo Obama, mas recusou-se a dizer qual era a decisão dele.

    Também na quarta-feira, Haley observou que o discurso de Trump na Assembleia Geral da ONU não significava que os Estados Unidos desejassem retirar-se do acordo nuclear internacional com o Irã, mas indicaram que não estava satisfeito com o acordo.

    Rouhani negou alegações de que Teerã violou o acordo e exortou outras nações participantes a cumprir seus compromissos.

    Em julho de 2015, o Irã e o grupo de países P5 + 1, composto pelos Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido, mais Alemanha, assinaram o JCPOA. O acordo estipula o levantamento de sanções relacionadas com o Iraque impostas ao Irã em troca de Teerã mantendo a natureza pacífica de seu programa nuclear. O plano entrou em vigor em 16 de janeiro de 2016.

    Mais:

    Netanyahu ameaça Irã e sugere que Israel possa usar armas nucleares
    Rússia se diz 'preocupada' com posição de Trump que pode quebrar acordo nuclear com Irã
    Presidente iraniano: EUA 'pagarão caro' caso abandonem acordo nuclear com Irã
    Tags:
    guerra, diplomacia, acordo nuclear, 72ª Assembleia Geral da ONU, ONU, David Swanson, Muhammad Salimi, Nikki Haley, Donald Trump, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik