04:28 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Militares sírios perto da base aérea de Deir ez-Zor (arquivo)

    Exército Sírio é atacado a partir de área ocupada por EUA e FDS

    © AFP 2018 / GEORGE OURFALIAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Tensão norte-americana na Síria (15)
    9320

    Tropas do Exército Árabe Sírio que participam de uma ofensiva contra terroristas em Deir ez-Zor foram alvo de ataques lançados a partir de uma área dominada por militantes das Forças Democráticas da Síria (FDS) e unidades especiais das Forças Armadas americanas, conforme revelou o Ministério da Defesa da Rússia nesta terça-feira.

    "No último dia, grupos de assalto das tropas governamentais sírias, com apoio da Força Aeroespacial russa, cruzaram o Eufrates e continuaram a expandir a cabeça de ponte capturada a leste de Deir ez-Zor, apesar da dura resistência dos militantes do Daesh", afirmou o porta-voz da Defesa russa, major-general Igor Konashenkov, destacando o avanço das forças de Damasco. 

    Segundo o militar, as tropas leais ao presidente Bashar Assad conseguiram liberar uma área de 60 quilômetros quadrados na zona oriental, mas encontraram obstáculos. 

    "De acordo com relatos de comandantes sírios na linha de frente, o Exército Sírio sofre contra-ataques mais severos e disparos a partir da direção norte. Isto é, onde estão localizadas forças das FDS e unidades de operações especiais dos EUA, que estão alegadamente providenciando ajuda médica a esses militantes em vez de liberar Raqqa. Vocês não precisam possuir profundo conhecimento militar para ver a consistência dessas 'coincidências'", declarou Konashenkov. 

    Tema:
    Tensão norte-americana na Síria (15)

    Mais:

    EUA abandonam no deserto o Novo Exército sírio
    Exército sírio quebra cerco terrorista em mais um ponto em Deir ez-Zor
    Exército sírio rompe o cerco ao aeroporto de Deir ez-Zor
    Tags:
    ataque, Igor Konashenkov, Bashar Assad, Damasco, Rússia, EUA, Raqqa, Eufrates, Deir ez-Zor, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik