14:01 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) em Raqqa (foto de arquivo)

    'Crime de guerra': ex-oficial afirma que EUA fornecem armas aos rebeldes sírios

    © REUTERS/ Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Tensão norte-americana na Síria (15)
    20148150

    Os alegados suprimentos norte-americanos de munições do tempo soviético aos rebeldes sírios não apenas "violam abertamente" as normas legais contra o financiamento do terrorismo, mas também correm o risco de provocar um conflito maior que abrangerá todo o Oriente Médio.

    Foi o que afirmou à Sputnik Internacional Scott Bennett, ex-oficial de operações psicológicas do exército norte-americano e contraente de contraterrorismo do Departamento de Estado.

    Armas indetectáveis

    Mais cedo, o Projeto de Relatórios de Corrupção e Crime Organizado (OCCRP, sigla em inglês) e a Rede de Relatórios Investigativos dos Bálcãs (BIRN) revelaram em um relatório que Washington estaria gerindo um fluxo de armas do tempo soviético no valor de US$ 2,2 bilhões para os rebeldes sírios.

    O Pentágono estará trabalhando com contraentes e subcontratados da Europa Oriental e dos países do antigo campo soviético. As munições são alegadamente fornecidas às forças aliados dos EUA nas regiões do norte e do sul da Síria.

    O Pentágono está fornecendo armas da época soviética aos rebeldes sírios porque "são essencialmente indetectáveis, têm um prazo de validade infinito e também são um recurso financeiro que pode ser usado a fim de continuar todos os conflitos", apontou Bennett.

    Além disso, segundo ele, este fato não é uma surpresa, já que é uma "tática típica da estratégia de guerra diplomática dos EUA que tem sido usada há décadas e tem sido aplicada contra uma variedade de países nos últimos 70 anos" em diferentes partes do mundo.

    Apesar de o Pentágono ter negado as alegações, Bennett argumentou que o relatório "deveria ser usado como uma evidência no Tribunal Penal Internacional da ONU numaa acusação contra os EUA por crimes de guerra bem como de crimes contra a humanidade".

    "Mentira descarada" 

    O relatório também afirma que, nas entregas de munições o Pentágono estará usando "documentação falsa" para contornar as normas do Tratado de Comércio de Armas da ONU que visam impedir o desvio de armas para terroristas ou criminosos de guerra.

    Em particular, o Pentágono está usando alegadamente certificados que referem seu Comando de Operações Especiais (SOCOM) como o consumidor final das armas fornecidas, em vez de mencionar a Síria como destino final. Em teoria, essa lacuna pode fazer com que o equipamento seja desviado para qualquer grupo militar ou rebelde, aponta o relatório.

    "Os documentos dos EUA e os certificados de usuário final que justificam a aquisição e distribuição dessas armas indicam que os EUA estão enganando os países a quem compra as armas e os países através dos quais elas transitam e afirmando que seu objetivo é 'defesa dos EUA' e operações de estabilidade", apontou Bennet.

    Ele acrescentou que os EUA estão usando linguagem legalmente retorcida que define aqueles que lutam contra o governo legítimo da Síria como "aliados e parceiros que apoiam os treinamentos, assistência na segurança e operações de estabilidade dos EUA".

    "[Esta] não é apenas uma mentira descarada […], mas sim uma violação da ordem do presidente, do Congresso e da Constituição dos Estados Unidos, bem como das leis e políticas das Nações Unidas contra o financiamento do terrorismo", disse Bennett.

    Além do mais, ele acrescentou que o fluxo contínuo de armas fornecidas pelos Estados Unidos para o Oriente Médio corre o risco de mergulhar a região em uma guerra infinita e fazer alastrar a hostilidade para os países e regiões vizinhos.

    Tema:
    Tensão norte-americana na Síria (15)

    Mais:

    Filho de bin Laden publica mensagem sobre Al-Qaeda na Síria
    Submarinos russos atacam com mísseis posições do Daesh na Síria (VÍDEO)
    Hezbollah não declarará guerra a Israel como resposta ao bombardeio contra Síria
    Tags:
    entrega, armas, Pentágono, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik