04:11 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Manobras irritam Pyongyang (20)
    9152
    Nos siga no

    Depois de ter anunciado a criação bem-sucedida de um míssil intercontinental, a Coreia do Norte enfrenta um novo desafio: miniaturizar uma ogiva nuclear para que possa ser instalada em mísseis.

    Assim, os novos testes nucleares não se farão esperar, opinam jornalistas da edição Asia Times.

    De forma a conseguir miniaturizar uma ogiva nuclear, esta deve ser aperfeiçoada para que não afete o alcance do míssil e possa resistir à reentrada na atmosfera, apontam Christine Kim e David Brunnstorm, autores do artigo.

    Segundo as estimativas, para este fim são necessários pelo menos uma prova nuclear e vários ensaios de mísseis de longo alcance, afirmam.

    Os dois testes realizados em julho provavelmente levaram ogivas de tamanho e peso fora das capacidades atuais do país necessárias para criar projéteis nucleares.

    Uma opção de Pyongyang seria desenvolver uma bomba termonuclear, que oferece uma maior potência com um menor tamanho ainda que as declarações anteriores sobre o ensaio dessa bomba não se tenham confirmado, acreditam Kim e Brunnstorm.

    Contudo, se o país vier a fazê-lo, enfrentará um risco ainda maior.

    Qualquer ensaio nuclear levaria a uma séria degradação das relações da Coreia do Norte com seus poucos aliados, o maior dos quais é a China. Ademais, as sanções internacionais, que estão entre as mais severas jamais aplicadas, poderiam ser endurecidas ainda mais, de acordo com diversos especialistas citados pelos autores.

    Finalmente, mesmo que o míssil intercontinental esteja pronto e os norte-coreanos possam teoricamente elaborar em breve uma ogiva miniaturizada, Pyongyang ainda está longe de possuir a tecnologia de reentrada segura na atmosfera, destacam os analistas sul-coreanos.

    Se a Coreia do Norte voltar a realizar um novo teste nuclear – o sexto – correrá o risco de perder o apoio da China e ser sujeita a uma enorme pressão internacional.

    Por outro lado, a capacidade de ameaçar os EUA é vista em Pyongyang como uma garantia de sobrevivência do atual governo do país, e é justamente por isso que Kim Jong-un a prioriza tanto. 

    O sexto ensaio nuclear norte-coreano poderia ter como fim levar os EUA à mesa das negociações, opina Yoo Ho-yeol, professor na Universidade da Coreia (Seul), citado pelos autores.

    "Não sei quando terá lugar um novo teste nuclear, mas com certeza a sexta prova seria menos perigosa para Pyongyang do que lançar mísseis em direção a Guam", assegurou.

    Tema:
    Manobras irritam Pyongyang (20)

    Mais:

    Apocalipse nuclear? 5 mitos sobre a ameaça da Coreia do Norte
    'Submarino nuclear britânico apoiaria EUA numa guerra contra Coreia do Norte'
    'Rússia não aceita uma Coreia do Norte nuclear', diz Lavrov
    'Temos o programa nuclear completo': É o que a Coreia do Norte pode anunciar em 2018
    Seul: Novo teste nuclear da Coreia do Norte em agosto é 'provável'
    Tags:
    teste nuclear, ogiva nuclear, tensão, escalada, programa nuclear, Asian Times, Kim Jong-un, Guam, Pyongyang, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar