21:27 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    210
    Nos siga no

    As tropas norte-americanas estão no Afeganistão há 16 anos, embora a operação dos EUA no país não tenha sido bem-sucedida. O cientista político afegão explicou por que é que os EUA não planejam sair do Afeganistão.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia apelou aos EUA para retirarem suas tropas do Afeganistão. "Para os EUA o Afeganistão é uma mera colônia e os planos das autoridades norte-americanas parecem os da Companhia das Índias Orientais", disse ex-embaixador da Rússia no Afeganistão Zamir Kabulov ao jornal russo Izvestia.

    Será que os EUA estão dispostos a retirarem os seus militares do Afeganistão? Porque é que as tropas norte-americanas estão no Afeganistão há 16 anos, apesar de não obterem qualquer êxito? O cientista político afegão, Akhtar Shakh Hamdard, explicou à Sputnik Dari por que os EUA, apesar da falta de êxito, estão prontos para continuarem no Afeganistão.

    "No futuro próximo os EUA não sairão do Afeganistão. Eles têm aqui planos estratégicos a longo prazo e já construíram bases militares. Os EUA investiram muito nessa região, onde se encontram os seus inimigos, a Rússia e a China, que podem prejudicar os EUA através do Afeganistão", disse o especialista.

    Segundo o cientista político, a Ásia Central é uma zona de interesses dos EUA por que a região é rica em recursos minerais.

    "É de assinalar que o Irã tem grandes jazidas de petróleo e de gás, e isso também tem importância estratégica para Washington. O caminho mais curto dos EUA para o Irã passa pelo Afeganistão", sublinhou ele.

    "É por isso que os EUA não abandonarão o Afeganistão no futuro próximo e as discussões sobre esse assunto são um mero jogo político dos EUA", explica o especialista. De acordo com Akhtar Shakh Hamdard, os EUA e o governo atual do Afeganistão assinaram um acordo, segundo o qual a presença militar dos EUA no Afeganistão é absolutamente legitima.

    Teerã
    © AFP 2020 / ATTA KENARE
    O especialista comentou também os gastos dos EUA no Afeganistão.

    "Os EUA gastam entre 20 e 25 bilhões de dólares com o Afeganistão. Para um país, cujo orçamento de defesa é de 600 bilhões de dólares, isso não é um problema. A única coisa com que está preocupado Washington são as baixas de pessoal militar, porque poderão levar a protestos nos EUA", acrescentou o cientista político.

    Akhtar Shakh Hamdard explicou por que as atividades do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países) e do Talibã não poderão levar à saída dos EUA do Afeganistão.

    "O Daesh é um projeto dos EUA, Reino Unido e Israel. De acordo com seus planos, o Daesh teria de invadir, através do Irã e do Afeganistão, a Ásia Central e ameaçar a Rússia. Os seus terroristas deveriam derrubar o regime xiita no Irã, invadir o Cáucaso e, através do Afeganistão, a Ásia Central”, disse o cientista político. Ele sublinhou que a operação bem-sucedida do exército russo na Síria fez desmoronar os planos dos terroristas e dos seus patrocinadores. "Por isso, não acho que as atividades do Daesh provoquem a saída dos EUA do Afeganistão", acrescentou ele.

    Mais:

    Pelo menos 16 pessoas morreram em ataque aéreo de forças estrangeiras no Afeganistão
    Famílias de terroristas e refugiados sírios convivem lado a lado em Mossul
    Imãs europeus iniciam 'tour pela paz' em cidades europeias atacadas por terroristas
    Tags:
    base militar, recursos minerais, terrorismo, armas, presença militar, Talibã, Daesh, Irã, EUA, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar