03:32 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Hossein Dehqan, ministro da Defesa do Irã, visita o local de produção de mísseis Sayyad-2 (Arquivo)

    Para especialista militar, Teerã pode criar seu míssil de médio alcance em breve

    © AFP 2019 / ISNA/STR
    Oriente Médio e África
    URL curta
    490
    Nos siga no

    O fato do parlamento iraniano ter aumentado em mais US$ 500 milhões o financiamento do programa de mísseis permitirá a Teerã desenvolver e testar um míssil de médio alcance, acredita o especialista em assuntos militares russo Viktor Murakhovsky, editor-chefe da revista Arsenal Otechestva.

    Mais cedo, a mídia informou que os legisladores iranianos votaram por esmagadora maioria a alocação de novos recursos para desenvolver o programe de mísseis do país em resposta às sanções recém-adotadas de Washington.

    "Acredito que, com tantos recursos, eles bem poderiam lançar uma indústria nova, bem como acelerar os ritmos de construção para conseguir desenvolver um míssil de médio alcance (4.500-5.000 km). Particularmente, terminar sua construção, efetuar os ensaios e produzir em série", afirmou Murakhovsky à Sputnik.

    O fato de este valor ser suficiente para o Irã, segundo o especialista, tem a ver com os custos bastante baixos das tecnologias de ponta e sua introdução na indústria militar da república islâmica.

    "Para o Irã, este valor é bem alto… Já que lá tem custos inferiores de mão-de-obra, compra de licenças, patentes, inclusive para a propriedade intelectual. Os custos da própria produção, inclusive dos testes, são menores, pois não há aumento de preço dos materiais, o que é próprio do complexo industrial ocidental", resumiu.

    Mais:

    Irã teria transportado seus armamentos à Rússia contrariando resolução da ONU
    Seria Irã novo alvo do Daesh?
    Ameaça? Irã diz que 'todas as opções estão sobre a mesa' se EUA romperem acordo nuclear
    Tags:
    financiamento, programa de mísseis balísticos, médio alcance, mísseis balísticos, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar