07:11 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Combatente do Hezbollah em Brital, no Líbano, olha na direção da Síria

    Líbano se prepara para atacar terroristas na fronteira com a Síria

    © AP Photo/ Bassem Mroue
    Oriente Médio e África
    URL curta
    330

    O exército libanês inciou exercícios de proficiência de armas de fogo enquanto se prepara para a próxima operação militar contra o grupo terrorista Daesh na fronteira com a Síria, de acordo com uma fonte, familiarizada com a situação.

    No início do dia, o Conselho Superior de Defesa do Líbano disse que a liderança do país aprovou operações militares para libertar áreas que fazem fronteira com a Síria em Ras Baalbek e al-Qaa dos terroristas do Daesh (autodenominado Estado Islâmico, proibido na Rússia).

    "O que o exército libanês faz nessa direção está relacionado com a prática de armas antes da batalha, cuja data ainda não está sendo revelada devido a uma série de razões, algumas das quais são secretas, enquanto as demais estão relacionadas à logística", disse a fonte.

    A fonte acrescentou que as medidas necessárias estavam em andamento para garantir a segurança dos civis, que vivem na área da operação militar planejada. De acordo com a fonte, a declaração do Conselho Superior de Defesa foi um sinal de que a operação contra o Daesh seria lançada em breve. Atualmente, os terroristas têm controle sobre 54 milhas quadradas do território fronteiriço libanês nas regiões montanhosas de Ras Baalbek e al-Qaa e 21 milhas quadradas de território fronteiriço sírio.

    Mais:

    Hezbollah: exército do Líbano é capaz de combater Daesh 'rapidamente e com poucos danos'
    Primeiro-ministro: Líbano vai pedir ajuda da Rússia para combater o Daesh
    Mídia: um dos cabecilhas do Daesh é eliminado no Líbano
    Daesh e Frente al-Nusra lutam perto da fronteira com o Líbano
    Tags:
    Exército do Líbano, Conselho Superior de Defesa do Líbano, Daesh, Estado Islâmico, al-Qaa, Ras Baalbek, Líbano, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik