01:18 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    A Suíça Carla del Ponte, à esquerda, membro da Comissão de Inquérito sobre a Síria, sentada ao lado do brasileiro Paulo Pinheiro, certo, presidente da Comissão, enquanto fala aos meios de comunicação durante uma conferência de imprensa após a sessão do Conselho dos Direitos Humanos sobre O relatório da Comissão de Inquérito sobre os Direitos Humanos na Síria na sede europeia das Nações Unidas em Genebra, Suíça, terça-feira, 18 de março de 2014.

    'Desisto': Enviada da ONU que investigava crimes de guerra na Síria abandona o cargo

    © AP Photo / Keystone, Salvatore Di Nolfi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    860

    A especialista de crimes de guerra Carla Del Ponte anunciou sua saída da Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a Síria, alegando inoperância do órgão e da comunidade internacional em 'interromper o banho de sangue' no país.

    "Não posso estar mais nesta Comissão que não faz absolutamente nada", explicou a antiga procuradora ao jornal suíço Blick, acusando ainda que o Conselho de Segurança da ONU não quer "fazer justiça". "Nós não tivemos sucesso. Permanecemos batendo com a cabeça na parede nos últimos cinco anos".

    A Comissão da ONU foi criada em agosto de 2011, meses depois do início do conflito que se arrasta fazendo milhares de mortos e sem resolução próxima. A ideia era investigar violações dos direitos humanos durante a guerra. O órgão deveria reportar a ocorrência e as circunstâncias de supostos crimes, bem como identificar os perpetradores. 

    Del Ponte trabalhou como Procuradora Geral do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia e do Tribunal Penal Internacional para a Ruanda, além de atuar como embaixadora da Suíça na Argentina. Como investigadora para a Síria, a diplomata ingressou com um inquérito em 2012, relatando o "uso de armas químicas, o genocídio contra os Yazidi perpetrado pelo Estado Islâmico (Daesh) e as táticas de cerco e bombardeio de comboios humanitários".

    Críticas recorrentes

    Del Ponte já vinha criticando pesadamente a atuação da Comissão há algum tempo. Anteriormente, a diplomata tocou no assunto durante o festival de Locarno, dizendo que pensava que "a comunidade internacional tinha aprendido algo com [o Genocídio em] Ruanda, mas não, não aprendemos nada. Nada acontece [na Comissão], apenas palavras, palavras e palavras".

    Seguem na Comissão a diplomata estadunidense Karen AbuZayd e o brasileiro, ex-secretário de Direitos Humanos e professor da USP Paulo Pinheiro. Em uma declaração conjunta, os dois afirmaram que Del Ponte afirmou sua intenção em deixar o cargo na metade de junho e que "a Comissão deseja sucesso a Sra. Del Ponte em todos os seus esforços futuros, particularmente como uma defensora incansável da causa da responsabilidade e levando os autores de crimes de guerra e crimes contra a humanidade à justiça". Nenhum substituto foi anunciado até o momento. 

    Tags:
    Tribunal Penal Internacional para a Ruanda, Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia, Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a Síria, Universidade de São Paulo (USP), Daesh, Conselho de Segurança da ONU, Estado Islâmico, Karen AbuZayd, Paulo Sérgio Pinheiro, Carla del Ponte, Ruanda, Iugoslávia, Suíça, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar