19:57 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Salman Bin Abdulaziz Al Saud, rei da Arábia Saudita

    Arábia Saudita quer executar 14 pessoas que protestaram contra governo, denuncia Anistia

    © East News / Abd Rabbo Ammar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1242

    A Anistia Internacional denunciou à comunidade internacional nesta semana que o Tribunal Supremo da Arábia Saudita decidiu pela execução de 14 manifestantes que protestaram contra a monarquia saudita em 2011 e 2012.

    Entre os condenados pela Corte está um estudante norte-americano, Mujtaba al-Suweyket.

    Os protestos naqueles dois anos integraram a Primavera Árabe e, de acordo com a Anistia, os manifestantes foram acusados em julho de 2016 por “rebelião armada contra o governo”, “incitação ao caos”, “uso de coquetel molotov”, e “disparo contra seguranças”.

    “Ao confirmar essas sentenças, as autoridades da Arábia Saudita mostraram seu implacável compromisso com o uso da pena de morte como uma arma para esmagar a dissidência e neutralizar os adversários políticos”, disse Samah Hadid, diretora de campanhas para o Oriente Médio na Anistia Internacional.

    “A assinatura do rei Salman é agora tudo o que está entre eles e suas execuções. Ele deve anular imediatamente essas sentenças de morte que são resultado de procedimentos judiciais simulados, que descartam descaradamente os padrões internacionais de julgamentos justos”, completou.

    Já a Federação Americana de Professores (AFT, na sigla em inglês) disse que, em caso das execuções serem levadas a cabo, a “Arábia Saudita deve ser considerada uma nação pária para o resto do mundo”.

    “Nós imploramos ao presidente [Donald] Trump, como o líder da nossa grande nação, fazer tudo ao seu alcance para impedir as atrocidades que ocorrem na Arábia Saudita”, acrescentou.

    Segundo a Anistia Internacional, pelo menos 66 pessoas foram executadas na Arábia Saudita desde o início de 2017, incluindo 26 só nas últimas três semanas.

    Mais:

    Tensão no Oriente Médio pode provocar uma guerra entre Arábia Saudita e Irã
    Troca de príncipe herdeiro na Arábia Saudita envolveu 'golpe' e drogas, revela jornal
    Opinião: Arábia Saudita não pode fazer nada no Golfo sem aprovação do Ocidente
    Tags:
    direitos humanos, decapitação, execuções, Primavera Árabe, Anistia Internacional, Mujtaba al-Suweyket, Salman bin Abdulaziz Al Saud, Rei Salman, Samah Hadid, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik