08:12 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) ao norte da cidade de Raqqa, em 8 de março de 2017

    Combata o Daesh, não Assad: coalizão dos EUA espalha mensagem na Síria

    © REUTERS/ Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1570

    A mudança de abordagem da Casa Branca para o conflito na Síria já chegou aos aliados dos Estados Unidos no país, que agora estão sendo orientados a focar o seu combate contra os terroristas do Daesh, e não contra o presidente sírio Bashar Assad.

    Em entrevista à rede norte-americana CNN, o coronel do Exército estadunidense Ryan Dillon declarou que “a coalizão apóia apenas as forças comprometidas em lutar contra o Daesh”. Tal decisão já gerou pelo menos uma deserção de um grupo rebelde na Síria.

    O Pentágono refere-se aos seus aliados locais no sudeste da Síria como “Oposição Síria Crítica”, um nome que destaca o fato de que muitos desses militantes se organizaram em oposição ao governo de Assad.

    Tal grupo difere das Forças Democráticas da Síria, que é maior e que mistura combatentes curdos e árabes que estão lutando para expulsar o Daesh de Raqqa, no norte da Síria.

    Essas forças vitoriosas da oposição síria estão sendo treinadas e equipadas por consultores militares dos EUA e da coalizão na base At Tanf, que fica perto da área de tríplice fronteira entre a Síria, a Jordânia e o Iraque.

    Nos arredores da base fica a zona estabelecida pelos EUA e pela Rússia, criada para evitar confrontos entre forças pró-regime de Assad e forças da coalizão e seus aliados locais.

    “Não estamos no negócio de lutar contra o regime. Eles não podem ter múltiplos objetivos e precisamos estar focados na luta contra o Daesh”, disse um funcionário da coalizão dos EUA na Síria à CNN. Um grupo chamado Shohada Al Quartyan deixou a coalizão para manter a sua luta contra Assad.

    A mudança de tom de Washington acerca do conflito sírio se deu com a confirmação de que a administração de Donald Trump iria encerrar o programa para armar as forças rebeldes contrárias ao regime de Assad – material este publicado pelo jornal The Washington Post.

    O próprio Trump, porém, já declarou em mais de uma oportunidade não ser “fã” do presidente sírio. Contudo, a prioridade para a Casa Branca é a derrota do Daesh, uma promessa de campanha do republicado em 2016.

    Mais:

    Fim das bombas e da clandestinidade: Daesh se rende no Iraque (FOTOS, VÍDEO)
    Primeiro-ministro: Líbano vai pedir ajuda da Rússia para combater o Daesh
    Inteligência do Iraque: 'número dois' do Daesh foi eliminado durante ataque aéreo
    Tags:
    crise síria, guerra síria, guerra, terrorismo, Shohada Al Quartyan, Casa Branca, Daesh, Bashar Assad, Donald Trump, Ryan Dillon, Estados Unidos, Raqqa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik