00:37 27 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Aviação chinesa participa da parada militar em comemoração de 70 aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, Pequim, China, 3 de setembro de 2015

    Opinião: China utiliza primeira base estrangeira na África para reforçar presença militar

    © Sputnik / Anton Denisov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2130

    A China vai estudar a possibilidade de enviar tropas para a fronteira entre Djibuti e Eritreia, anunciou o embaixador da China junto da União Africana Kuo Weilin.

    A possibilidade de ajuda na regulação do conflito fronteiriço entre os países africanos é manifestada tendo como fundo o aumento da presença militar da China na África, acredita a Associated Press.

    De acordo com a agência, cerca de 400 militares chineses vão fazer parte do contingente chinês em Djibuti.

    "A China tenta agir como um jogador político que pode regular os conflitos na região. Ainda não é claro se a China vai conseguir lidar com este objetivo porque não tem experiência suficiente […] Não estou certo que a China possa lidar completamente com o problema. Mas o fato de a China anunciar sua disponibilidade para realização da operação de manutenção de paz sinaliza que a China se está tornando gradualmente um centro de poder político. E isso deve preocupar mais os EUA do que a Rússia", acrescentou à Sputnik China o analista russo Vladimir Evseev.

    De acordo com ele, a participação ativa da China nas atividades de manutenção de paz de fato comprova a intenção de reforçar sua presença militar na África.

    Entretanto, o ex-embaixador da China na Eritreia Shu Zhang afirma que a mediação possível da China na regulação do conflito nada tem a ver com o envio do contingente militar chinês para a base em Djibuti e não sinaliza uma revisão da política de não interferência.

    ​A China também mostra seu interesse na intermediação em outras regiões. Assim, a China ofereceu ajuda à Palestina no conflito com Israel, bem como acrescentou sua vontade de ajudar a diminuir as tensões na fronteira entre a índia e o Paquistão e no golfo Pérsico entre o Qatar e o grupo de países árabes.

    Djibuti acusa a Eritreia de ocupação da montanha de Doumeira e da Ilha de Doumeira que o país considera como territórios de sua soberania. A ocupação aconteceu após o Qatar retirar as suas forças de paz da região após Djibuti ter tomado a decisão sobre diminuição do nível das relações diplomáticas com o país seguindo o exemplo de outros países árabes.

    Mais:

    China ativa 'diplomacia ferroviária' na África
    Por que China está na porta da África
    Tags:
    regulação, interesse nacional, contingente militar, soldados, base, presença militar, conflito, Eritreia, Djibouti, África, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik