12:19 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump

    Fim do programa anti-Assad? Agora tudo depende de Trump

    © AFP 2019 / Olivier Douliery
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1390
    Nos siga no

    Surgiu uma esperança de melhoramento da situação na Síria. Se Trump realmente suspender o programa de apoio aos inimigos do presidente sírio Bashar Assad, a situação no país mudará significativamente.

    Agora está claro que Trump começou a resolver os inúmeros problemas deixados pela administração Obama, diz o analista Ilia Kharlamov ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    A mídia norte-americana comunicou que Trump está disposto de suspender o programa da CIA de armamento e prestação de ajuda militar à oposição antigovernamental síria. A Casa Branca até agora não confirmou esta informação, mas também não a desmentiu. Os representantes dos serviços secretos recusaram fazer quaisquer comentários, o que é compreensível. A mídia escreve que tal decisão foi tomada por Trump antes do seu encontro pessoal com Vladimir Putin.

    O programa da CIA ainda está em vigor e, segundo Ilia Kharlamov, pode continuar sendo realizado. Mas, se for suspenso, a situação mudará e se tornará mais favorável. A Casa Branca, bem como muitos outros políticos da Europa, já não têm como objetivo principal derrubar o governo legítimo de Bashar Assad.

    Esta decisão de Trump significará uma nova onda da crise política nos EUA e novas acusações contra Trump. Ele já foi acusado de fazer cedências à Rússia, que tem repetidamente apelado para parar o financiamento da oposição radical na Síria.

    Mais:

    Mídia: Trump encerra programa da CIA para armar oposição síria contra Assad
    Enviado de Trump diz que militantes estrangeiros não conseguem mais penetrar na Síria
    Trump: Rússia e EUA estão discutindo novo cessar-fogo para a Síria
    Tags:
    financiamento, rebeldes, oposição armada, oposição síria, CIA, Donald Trump, Bashar Assad, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar