11:53 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    General aposentado da Infantaria da Marinha a candidato ao posto de Secretário de Defesa norte-americano, James Mattis

    Secretário de Defesa dos EUA diz que líder do Daesh ainda está vivo

    © AP Photo / Matt Dunham
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1212

    O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, afirmou nesta sexta-feira (21) que ele acredita que o líder do Daesh pode estar vivo.

    "Eu acho que [Abu Bakr] Baghdadi está vivo… acho que ele está vivo, e vou achar de outra maneira quando soubermos que o matamos", disse Mattis, de acordo com o Washington Examiner.

    Na semana passada, o secretário de Defesa dos EUA disse que não poderia confirmar ou negar a morte do líder do Daesh. Já o diretor Centro Nacional de Contraterrorismo, Nick Rasmussen, declarou que não tinha indícios da morte do terrorista.

    No dia 16 de junho, o Ministério da Defesa da Rússia disse que Baghdadi provavelmente foi morto por um ataque das forças aéreas russas em Raqqa. O órgão governamental também afirmou que ainda estava checando a informação por diversas fontes.

    Baghdadi já foi declarado morto várias vezes desde que conquistou notoriedade em 2014, ao declarar o "califado" do Daesh.

    Mais:

    Iraque: derrota do Daesh em Mossul não é êxito dos EUA
    Inteligência iraquiana nega a morte de Baghdadi: líder do Daesh pode estar vivo?
    Vice-ministro: 'combate ao terrorismo na Síria irá até o fim, com Baghdadi morto ou não'
    Daesh executa um dos seus líderes por alusão à morte de Baghdadi
    Baghdadi está morto: Guarda Revolucionária do Irã confirma a morte do líder do Daesh
    ONU impõe sanções a organizações e indivíduos ligados ao Daesh e à Al-Qaeda
    Terroristas do Daesh são 'cercados e sitiados' em Raqqa
    Libertação da 'capital' do Daesh levará a um confronto global?
    Tags:
    Ministério da Defesa (Rússia), Centro Nacional de Contraterrorismo, Departamento de Defesa dos EUA, Abu Bakr al-Baghdadi, Nick Rasmussen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik