18:27 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Refugiados atrás de uma barreira do Exército libanês enquanto a fumaça aumenta durante os confrontos entre os islâmicos e os atiradores palestinos da Fatah no campo de refugiados palestinos de Ain al-Hilweh perto de Sidon, no sul do Líbano 9 de abril de 2017

    Ninguém é de confiança: terroristas preparam sabotagens em campos de refugiados

    © REUTERS / Ali Hashisho
    Oriente Médio e África
    URL curta
    530
    Nos siga no

    Os terroristas do Daesh e da Al-Qaeda – ambas organizações terroristas, proibidas na Rússia e em muitos outros países – planejam realizar sabotagens em campos de refugiados sírios no território do Líbano.

    O especialista estratégico-militar do Líbano, brigadeiro-general Ilyas Farhat, disse à Sputnik Árabe que no sítio libanês de Arsal há 16 campos, onde vivem de 80 a 100 mil refugiados.

    "O exército libanês é encarregado de impedir que militantes do Daesh e da Al-Qaeda penetrem nos campos de refugiados, bem como no sítio de Arsal. Essa é uma tarefa muito importante, pois os terroristas querem atacar os campos para depois jogar a culpa nas forças libanesas. Desta forma, eles vão tentar provocar conflitos dentro do Líbano", frisou ele.

    Segundo o general do exército, o espírito saldável de seus militares impede que os militantes os rompam. O exército do Líbano está empenhado em combater não só o Daesh, mas outros grupos terroristas.

    Segundo Ilyas Farhat, todo o mundo está disposto a combater o terrorismo em escala global. O combate contra grupos terroristas é um processo gradual, mas o general tem certeza que em breve os refugiados poderão voltas para suas casas.

    Mais:

    Força Aérea síria destrói posições da Frente al-Nusra no Líbano
    Líbano concede liberdade ao Exército para atuar na fronteira com a Síria
    Debate sobre decapitação do Daesh termina em pancadaria no Líbano (VÍDEO)
    Tags:
    campo de refugiados, refugiados, terroristas, Al-Qaeda, Daesh, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar