10:16 16 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Agentes do Corpo de Guardiões da Revoluçao Islâmica durante a parada militar anual que marca aniversário do início de guerr com o Iraque de 1980-1988, Teerã, Irã, 2015

    'Sonho dos EUA de derrotar o Irã não passa de delírios perturbados', diz general

    © AFP 2017/ ATTA KENARE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5139971

    Um alto comandante do Irã declarou nesta semana “não passar de um delírio perturbado” o desejo dos Estados Unidos em derrotar o governo iraniano, após o chefe do Pentágono defender uma mudança no regime que conduz o país desde 1979.

    “O sonho ridículo dos estadunidenses de derrotar a República Islâmica do Irã não são mais do que delírios perturbados”, afirmou o general Massoud Jazayeri, subcomandante do Estado Maior das Forças Armadas iranianas.

    Na mesma entrevista, dada à Press TV, o comandante assinalou que Teerã responderá “às conversações sem sentido das autoridades dos EUA nos teatros de ação”.

    Jazayeri garantiu ainda que as metas e políticas iranianas seguem inalteradas e passar por “continuar expulsando estrangeiros da região constantemente”, o que, de acordo com o general, corresponde a “não ter a menor dúvida em seguir este caminho sagrado”.

    Na última segunda-feira, o chefe do Pentágono James Mattis afirmou que o Irã é “revolucionário” ao invés de “funcional”, dizendo ainda que Teerã é “a influência mais desestabilizadora do Oriente Médio”.

    De acordo com documentos desclassificados pelo governo dos EUA recentemente, o país influiu no golpe de Estado de 1953 no Irã, a fim de derrotar o governo de Mohammed Mosaddeq, eleito democraticamente pelos iranianos.

    Mais:

    Para especialista, ao enviar armas ao Qatar, Irã dará pretexto para guerra aos sauditas
    EUA conseguirão mudar o poder no Irã?
    Chefe da CIA: Influência do Irã no Oriente Médio continua crescendo
    Tags:
    guerra, islamismo, islâmicos, política, diplomacia, James Mattis, Massoud Jazayeri, Teerã, Oriente Médio, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik