21:03 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Ahmad Shlash, um ex-parlamentar sírio aliado do presidente Bashar Assad, e Bilal Daqmaq, um religioso libanês crítico de Assad, brigam durante programa da TV libanesa que discutia ações do Daesh

    Debate sobre decapitação do Daesh termina em pancadaria no Líbano (VÍDEO)

    © Foto : Reprodução / YouTube
    Oriente Médio e África
    URL curta
    440

    A selvageria característica das ações do grupo terrorista Daesh também foi registrada em um programa de TV no Líbano, que tratava justamente de atitudes como as decapitações que fizeram a fama dos terroristas pelo mundo.

    Tudo aconteceu durante o programa ‘Bel Moubashar’, da rede libanesa OTV. De um lado estava Ahmad Shlash, um ex-parlamentar sírio aliado do presidente Bashar Assad, e de outro estava Bilal Daqmaq, um religioso libanês crítico de Assad.

    Pouco depois do início do debate, o apresentador Rawad Daher expressou condolências a Shlash e sua família, uma vez que um dos seus primos foi decapitado por membros do Daesh. A escalada da tensão se deu quanto o apresentador questionou Daqmaq, questionando se ele também gostaria de prestar homenagens.

    O religioso libanês disse então que suas condolências se estendiam ao total do “povo sírio assassinado por qualquer pessoa”, quando foi interrompido por Shlash, que queria saber se tais homenagens incluíam a ele e sua família ou não.

    Daqmaq respondeu que “não é seu assunto”, o que gerou uma forte reação do partidário sírio de Assad. Além de ofensas, os dois partiram para a briga, até que a “turma do deixa disso” chegou para separar os dois homens.

    Mais:

    Daesh proclama Tal Afar iraquiana como Estado independente
    Exclusivo: Sputnik revela o salário de membros do Daesh
    Sem Mossul, Daesh deve intensificar tráfico de petróleo, ópio e seres humanos
    Tags:
    tortura, violência, terrorismo, decapitação, Daesh, Rawad Daher, Bashar Assad, Bilal Daqmaq, Ahmad Shlash, Oriente Médio, Síria, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar