04:27 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    32250
    Nos siga no

    Um dos líderes da organização terrorista Daesh (proibida na Rússia), Lavdrim Muhaxheri, foi eliminado na Síria, informa o jornal grego pronews.gr, sem indicar as fontes da informação.

    Anteriormente, a mídia tinha informado por várias vezes sobre a morte do terrorista.

    Lavdrim Muhaxheri, também conhecido pelo pseudônimo de Abu Abdullah al Kosova, pertence à etnia albanesa kosovar. Nos vídeos de propaganda do Daesh, ele decapita pessoalmente cristãos, xiitas e alauitas, escreve o jornal grego. Em 2014, o departamento de Estado dos EUA o incluiu na lista de terroristas.

    Ele voltou à Síria em maio, após uma viagem de quatro meses à Albânia e Kosovo. Segundo os dados do jornal, o terrorista foi eliminado pela Força Aeroespacial da Rússia e pelas forças sírias Tiger (Tigre) durante uma operação conjunta na região de Idlib. Além disso, foram liquidados seis dos 20 guarda-costas pessoais do líder terrorista.

    Em fevereiro, foi informado que tinha sido morto o companheiro de luta de Lavdrim Muhaxheri, o anterior imã da comunidade islâmica da República do Kosovo e um dos membros do Daesh.

    Segundo as informações da mídia ocidental, Lavdrim Muhaxheri, da cidade de Kacanik, antes foi funcionário da missão da OTAN no Kosovo.

    Em fevereiro de 2016, o jornal italiano Espresso escreveu, citando a inteligência do país, que o terrorista "conhece muito bem o inimigo, pois antes de se tornar jihadista, ele trabalhou na base norte-americana da KFOR Bondsteel (no Kosovo), e antes disso — na OTAN no Afeganistão".

    A cidade kosovar de Kacanik, na fronteira com a Macedônia, se tornou conhecida como um centro de recrutamento de jihadistas, tendo fornecido ao Daesh 3,4 mil elementos.

    Mais:

    China doa US$ 7,35 milhões em armas para Filipinas combater Daesh
    O desastroso legado do Daesh, sobre o qual ninguém fala
    Tags:
    morte, líder terrorista, OTAN, Daesh, Albânia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar