16:07 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Crianças recrutadas pelo Daesh. (File)

    O desastroso legado do Daesh, sobre o qual ninguém fala

    © Foto: Youtube/Channel 4 News
    Oriente Médio e África
    URL curta
    324

    Com a derrota 'oficial' do grupo terrorista Daesh em Mossul, no Iraque, e com o cerco de Raqqa na Síria, surgem questões sobre as consequências do domínio dos radicais sobre essas regiões por tanto tempo.

    Os radicais professavam ativamente suas ideias entre mulheres e crianças. O problema com menores radicalizados será um grande desafio para o período pós-guerra, disse à Sputnik o politólogo Anton Skripunov.

    O fenômeno já se manifestou em Mossul, onde crianças com coletes explosivos foram envolvidos em ataques contra o exército iraquiano. De acordo com o relatório da Comissão Holandesa de Antiterrorismo, Daesh ainda administra uma rede de campos de treinamento.

    Terroristas recrutam combatentes potenciais e oferecem recompensas para parentes, explica Skripunov. No processo de radicalização eles empregam mecanismos que exploram o entusiasmo inato das crianças, alerta o especialista.

    Em essência, diz Skripunov, a personalidade das crianças foi formada em tempos de guerra e sob a influência de idéias extremistas.

    A chave para superar este desafio grave seria a integração na nova sociedade, disse o psicólogo infantil Vachagan Gezatsian.

    "Que valores e idéias instigam uma criança? Como é que a sua personalidade foi deformada? (…) Muito depende da pessoa que cuida da reintegração da criança na sociedade", avisou o especialista.

    Mais:

    Queda de Mossul, baluarte jihadista, significará breve derrota do Daesh?
    Baghdadi está morto: Guarda Revolucionária do Irã confirma a morte do líder do Daesh
    Primeiro-ministro do Iraque declara fim do 'falso estado' do Daesh em Mossul
    Daesh começa a conceder 'passaportes ao paraíso' a seus militantes (FOTO)
    Tags:
    crianças, Daesh, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar