16:56 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Fumaça após ataques aéreos da Força Aérea síria no leste de Damasco

    'Caso Ocidente continue com agressão contra Damasco, a resposta será surpreendente'

    © AFP 2017/ Amer Almohibany
    Oriente Médio e África
    URL curta
    75541

    As acusações feitas pelos EUA, França e Grã-Bretanha em relação a Damasco não têm nenhumas provas, disse em entrevista à Sputnik Árabe o membro do conselho legislativo do parlamento sírio Muhammed Kheir al Akkam.

    Na segunda-feira, o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que, caso a Síria use armas químicas, Paris não tardará em responder.

    Segundo o político, do ponto de vista do direito internacional, as afirmações do Ocidente representam uma pressão política contra Damasco em resposta aos êxitos no deserto do leste da Síria e à cooperação com as forças iraquianas. Por isso as falsas acusações de Washington, expressadas pelo presidente francês, não são surpreendentes, disse Muhammed Kheir al Akkam à Sputnik Árabe.

    "Dizemos a todos: a Síria nunca utilizou estas armas no passado e nunca irá utilizar no futuro, nem contra civis, nem contra terroristas. Não temos necessidade de usá-la", afirmou o político.

    Muhammed Kheir al Akkam citou o aspeto jurídico da questão, dizendo que "se algum Estado acha que outro Estado planeja aplicar armas químicas, ele deve se dirigir à Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ)", que depois analisa o caso e decide se precisa enviar seus especialistas a esse país.

    O deputado lembrou que a Síria já pediu a OPAQ para que realizassem uma investigação à localidade de Khan Shaykhun, lugar de um alegado ataque químico, em resposta ás acusações dos EUA, mas Washington não reagiu.

    "Depois se tornou claro que este incidente foi um pretexto para exercer pressão política sobre o governo sírio. Agora, os norte-americanos estão fazendo o mesmo com o mesmo objetivo", acrescentou.

    Segundo o deputado sírio, os EUA querem ter mais argumentos para suas operações contra o exército sírio. Mas será que o Pentágono pode explicar por que foi abatido o avião sírio sobre a cidade de Raqqa, que de forma totalmente legal estava bombardeando as posições do Daesh?

    Caso a coalizão internacional continue explorando o tópico de armas químicas como pretexto para uma possível agressão contra a Síria, então Damasco, juntamente com a Rússia e o irã, responderá aos agressores de uma forma surpreendente, afirmou Muhammed Kheir al Akkam.

    Mais:

    Avião sírio abatido pelos EUA é chance para diálogo entre Ancara e Damasco
    Bashar Assad experimenta comandos do caça Su-35 na base russa na Síria (VÍDEO)
    Tags:
    crise, Pentágono, Emmanuel Macron, Khan Shaykhun, Grã-Bretanha, França, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik