05:08 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Menino palestiniano sentado sobre ruínas depois de bombardeio da Faixa de Gaza por Israel

    Israel acaba com esperanças dos doentes da Faixa de Gaza

    © AP Photo / Khalil Hamra
    Oriente Médio e África
    URL curta
    46015
    Nos siga no

    O representante do Ministério de Saúde da Faixa de Gaza, Ashraf al Kadra, informou que, a partir do início do ano, Israel endureceu as normas de saída da Faixa de Gaza para tratamento de saúde.

    "A partir do mês de abril a saída se tornou impossível. Devido a isso, 11 pessoas já morreram", disse Ashraf al Kadra à Sputnik Árabe.

    Segundo ele, a proibição de saída não é nada mais nada menos do que uma declaração de guerra contra os palestinos doentes. O representante espera muito que a proibição de saída dos doentes seja abolida, acrescentando que ela viola as leis internacionais e representa um crime contra a humanidade.

    O diretor do setor infantil do Complexo Hospitalar da Faixa de Gaza, o doutor Allam Abu Hamida, sublinhou que a maior ameaça é enfrentada pelas crianças, pois há muitos recém-nascidos que estão precisando de tratamento intensivo. Todos os meses, nascem de 10 a 15 crianças que precisam de ajuda de fora da Faixa de Gaza, “sem ajuda, elas são abandonadas sem esperanças”, lamenta.

    Os hospitais da Palestina não têm equipamento médico-hospitalar necessário, tampouco remédios para situações de emergência. Segundo o doutor, em uma semana, 3 crianças que necessitavam de assistência médica de fora da Faixa de Gaza, que foram impedidas de sair da região, morreram sem assistência médica.

    Mais:

    MSF interrompe operações em Ghouta após ataque contra hospital
    Tiroteio em hospital de Berlim, polícia fechou a área
    Incêndio provoca vítimas em hospital de Ekaterinburgo
    Tags:
    médicos, crianças, hospitais, Palestina, Israel, Faixa de Gaza
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar