04:42 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Kremlin, Moscou

    Qatar agradeceu oferta russa para driblar o embargo alimentar

    © Sputnik / Grigoriy Sisoev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)
    24363
    Nos siga no

    Doha agradeceu Moscou por oferecer suprimentos alimentares, em meio à crise diplomática de Qatar com outros estados árabes. A ajuda, entretanto, não é necessária neste momento, disse o ministro das Relações Exteriores do Qatar, Mohammed bin Abdulrahman Al Thani.

    Um bombardeiro estratégico B-52 da Força Aérea dos EUA chega a base militar norte-americana de Al Udeid no Qatar (foto de arquivo)
    © REUTERS / U.S. Air Force/Tech. Sgt. Terrica Y. Jones
    Na segunda-feira, a Arábia Saudita, o Bahrein, os Emirados Árabes Unidos e o Egito romperam as relações diplomáticas com o Qatar, acusando o país de apoiar organizações terroristas e de desestabilizar a situação no Oriente Médio.

    O isolamento do Qatar, liderado pelo governo saudita, foi apoiado na semana passada pelo Iêmen, Maldivas, Maurício, Mauritânia e o governo da Líbia oriental. A crise provocou escassez de alimentos no país extremamente rico em energia, mas que depende fortemente das importações.

    "O Irã ofereceu ajuda, bem como outros países aliados. A Rússia nós ofereceu ajuda, quando precisamos. Por enquanto, porém, não precisamos disso. Estamos utilizando os canais de importação na Turquia e em outros países", disse Al Thani em entrevista à emissora Rossiya 24.

    No sábado, Al Thani se encontrou com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Moscou manifestou apoio à resolução da crise, através das negociações diretas entre Doha e outros estados árabes, e confirmou que continua o diálogo com o governo de Qatar em todas as esferas.

    Tema:
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)
    Tags:
    apoio, crise de alimentos, Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, Rússia, Moscou, Qatar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar