15:07 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan discursa na cerimônia de entrega de prêmios em Ancara, Turquia, 3 de novembro de 2016

    Opinião: decisão turca de enviar tropas ao Qatar é um passo impulsivo

    © AFP 2019 / ADEM ALTAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)
    6203
    Nos siga no

    Há pouco tempo, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan aprovou a decisão do parlamento do país que prevê a instalação de militares turcos na base militar de Al Rayyan, no Qatar, e a cooperação no treinamento da gendarmaria do país, o que gerou uma grande repercussão na comunidade turca e internacional.

    Após tal passo do presidente turco, surgiu uma opinião bastante difundida de que o aumento do contingente da Turquia no Qatar (de 94 para 600 militares) pode pressagiar uma crise séria no futuro, caso o Qatar, que está sendo sujeito a pressão americana e saudita, expresse o pedido de proteger seu território com a ajuda das forças turcas.

    Em uma conversa com a Sputnik Turquia, o ex-embaixador turco em Washington, Faruk Logoglu, expressou uma opinião semelhante.

    "Embora nas declarações de Ancara a respeito da crise no Qatar figurem as palavras 'diálogo' e 'consenso', a mensagem que há nelas gera razões sérias para nos preocuparmos. A retórica do presidente Erdogan e do premiê Binali Yildirim não reflete apenas a vontade da Turquia de prestar apoio ao Qatar, mas também de expressar seu protesto em relação aos países que se manifestam contra ele", explicou o diplomata.

    Logoglu explicou que a Turquia, evidentemente, não podia ficar de lado e indiferente a esta crise, porém, Ancara "não deve dar passos precipitados e fazer declarações pouco ponderadas em relação a este assunto".

    "A decisão tomada pelo parlamento turco, a meu ver, é um passo impulsivo destes, que pode colocar Ancara em uma situação complicada e estreitar significativamente o espaço para manobras políticas", sublinhou.

    Ao falar de que a Turquia deveria se manter neutra em relação aos conflitos regionais, Logoglu afirmou: "A Turquia deve construir sua própria política no Oriente Médio se orientando pelo princípio que na época foi definido por Ataturk [primeiro presidente da República da Turquia e, consequentemente, seu fundador], ou seja, que se deve construir relações amistosas com o mundo árabe, mas ao mesmo tempo não intervir nos conflitos que surgem entre os países árabes".

    O diplomata resumiu que a evolução da situação depende dos passos que serão dados pelas outras partes do conflito, particularmente, pela Arábia Saudita, EUA e Irã.

    "Não acho que este conflito evolua para uma confrontação aberta. Porém, receio que em resultado da tensão existente possa se criar uma situação semelhante àquela que houve no Iraque", resumiu.

    Tema:
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)

    Mais:

    Diplomacia russa discute situações de Síria e Qatar com embaixador saudita
    Apesar da crise: Qatar reafirma interesse em relações positivas com o Irã
    Emirados Árabes barra negócios com 'lista negra' do Qatar; EUA pede maior esforço
    Tags:
    envio, tropas, bloqueio, Recep Tayyip Erdogan, Qatar, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar