02:46 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O mapa de Qatar

    Emirados Árabes barra negócios com 'lista negra' do Qatar; EUA pede maior esforço

    © REUTERS / Thomas White
    Oriente Médio e África
    URL curta
    618
    Nos siga no

    O Banco Central dos Emirados Árabes Unidos instruiu nesta sexta-feira que os bancos locais não façam negócios com 59 indivíduos e 12 entidades que teriam ligações com o Qatar, informou a agência estatal WAM.

    Outra medida solicitada envolve o congelamento dos recursos dos envolvidos nesta “lista negra” vinculada ao Qatar.

    A decisão aconteceu depois de Emirados Árabes, Arábia Saudita, Egito e Bahrein terem isolado o Qatar na segunda-feira, cortando todas as relações diplomáticas e conexões de transporte com o vizinho, acusado de ter vínculo com indivíduos e entidades consideradas terroristas e também com o Irã, nação inimiga desses países.

    “Em outra circular, o Banco Central aconselhou bancos e outras instituições financeiras que operam nos Emirados Árabes Unidos a aplicar uma diligência antecipada de clientes imediatamente melhorada para quaisquer contas que pertençam a seis bancos do Qatar: Banco Islâmico do Qatar, Banco Islâmico Internacional do Qatar, Banco Barwa, Masraf al- Rayan, Banco Nacional de Qatar e Banco de Doha”, informou a WAM.

    Estrela de rubi de uma das torres da fortaleza do Kremlin. Ao fundo, Grande palácio do Kremlin (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Druzhinin/Anton Denisov/Serviço de imprensa do presidente russo

    EUA monitoram situação e pedem 'maior esforço'

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, pediu nesta sexta-feira que a Arábia Saudita e demais países árabes diminuam as restrições contra o Qatar. De acordo com ele, consequências não intencionais de cunho humanitário estão sendo registradas, afetando a luta norte-americana contra os terroristas do Daesh.

    “Pedimos ao Reino da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito que aliviem o bloqueio contra o Catar. Acreditamos que estas são consequências não intencionais, especialmente durante o mês sagrado do Ramadã”, disse Tillerson, em breve comunicado a jornalistas.

    “Nossa expectativa é que esses países imediatamente tomem medidas para desacreditar a situação e desenvolver um esforço de boa fé para resolver suas queixas que eles têm um com o outro”, continuou o secretário de Estado norte-americano.

    Tillerson ainda elogiou o emir do Qatar, Tamin ben Hamad al Thani, que teria feito “avanços notáveis” no combate ao financiamento do terrorismo. Contudo, ele reforçou que os esforços do país devem ser redobrados o mais rápido possível.

    Mais:

    Erdogan aprova lei de envio de militares turcos para Qatar
    Diplomacia russa discute situações de Síria e Qatar com embaixador saudita
    Irã começa a enviar alimentos ao Qatar em meio ao bloqueio
    Crise do Qatar pode afetar projeto chinês 'Um Cinturão, uma Rota'
    Tags:
    diplomacia, política, ramadã, terrorismo, Daesh, Tamin ben Hamad al Thani, Rex Tillerson, Irã, Bahrein, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Oriente Médio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar