14:10 21 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Margarita Simonyan, editora-chefe da Sputnik e canal RT

    Editora-chefe: RT conseguiu desmascarar a notícia falsa mais terrível sobre Síria

    © Sputnik / Vladimir Trefilov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    12360
    Nos siga no

    Os jornalistas do RT conseguiram desmascarar a notícia falsa mais terrível vinda da Síria, a história sobre o menino que foi considerado "um símbolo da tragédia em Aleppo", declarou a editora-chefe do RT e da Sputnik, Margarita Simonyan.

    "Da próxima vez, vamos levar conosco Christiane Amanpour e todos os que quiserem. Isso se eles tiverem coragem para falar com o menino Omran e com sua família", declarou Margarita Simonyan.

    Mais cedo, o pai de Omran Daqneesh tinha contado ao RT que os Capacetes Brancos tinham tirado muitas fotos de Omran antes de o ajudarem. Ele também declarou que a gravidade das feridas do filho foi bem exagerada e que a foto foi usada com objetivos interesseiros.

    As imagens de Omran, resgatado dos destroços da casa por membros da organização Capacetes Brancos, surgiram na mídia em 2016. A mídia ocidental acusou a Rússia e Síria de terem atacado a casa da família em Aleppo. O Ministério da Defesa russo, por sua vez, apontou que as destruições causadas são típicas de granadas de morteiro ou de botijões de gás usados pelos terroristas. O Ministério russo sublinhou que no vídeo é evidente que os médicos não se apressam a ajudar o menino, mas tentam não o tapar das câmeras.

    A apresentadora do CNN, Christiane Amanpour, falando com chanceler russo Sergei Lavrov, mostrou a foto de Omran, dizendo que "isto é um crime contra a humanidade". Mais tarde, a representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, propôs a Amanpour visitar a Síria e fazer uma entrevista honesta a Omran, e não uma falsificada como o CNN sabe fazer.

    Os Capacetes Brancos foram acusados várias vezes de criar vídeos falsificados, onde eles aplicam maquiagem às supostas vítimas e lhes ditam o que devem dizer para a câmera.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar