18:54 18 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército sírio da parte de Aleppo libertada dos terroristas, Síria, 5 de setembro de 2016

    Estado-maior das forças aliadas da Síria ameaça os EUA com um ataque de resposta

    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    35653

    O estado-maior operacional das forças aliadas da Síria, que inclui forças do Hezbollah libanês e do Irã, declarou, depois do ataque contra suas posições realizado pela coalizão internacional liderada pelos EUA, que é capaz de atacar as forças norte-americanas na Síria se isso for necessário.

    Na terça-feira, a coalizão internacional liderada pelos EUA declarou ter efetuado um ataque contra forças pró-governamentais no sul da Síria. O primeiro ataque semelhante foi levado a cabo no dia 18 de maio na mesma região sob pretexto de alegadas “ações dessas forças que ameaçam a coalizão”.

    "O sangue dos filhos da Síria, do Exército Árabe Sírio e seus aliados tem muito valor, e existe a capacidade para atacar as posições deles [dos EUA], na Síria e arredores, se isso for necessário, na mesma hora, quando isso for exigido pelas condições, considerando a existência de sistemas de mísseis e outros", se lê no comunicado do estado-maior.

    O estado-maior operacional das forças aliadas da Síria classificou as ações dos EUA como uma "agressão cobarde" e como uma prova de "hipocrisia dos EUA na luta contra o terrorismo". A ausência de ações de resposta é explicada pelo estado-maior como resultado “de seu autodomínio”, diz o comunicado, mas o estado-maior operacional frisou que "vai agir, se os EUA atravessarem as 'linhas vermelhas'".

    Mais:

    Ataque da coalizão dos EUA contra soldados sírios matou ao menos dois e deixou 15 feridos
    Coalizão liderada pelos EUA volta a atacar Exército sírio
    Coalizão liderada pelos EUA realizou 24 ataques aéreos contra Daesh em Raqqa
    Tags:
    Irã, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik