19:41 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)
    574
    Nos siga no

    Qatar pagou aos terroristas um bilhão de dólares pela libertação de vários membros da família real, afirma a mídia americana, citando fontes relacionadas ao caso.

    Vários comandantes de grupos armados e funcionários qatarianos comunicaram que Doha pagou 1 bilhão de dólares pela libertação de 26 membros da família real, que foram sequestrados por jihadistas no sul do Iraque.

    Depois de entregar a quantia volumosa a um grupo ligado a Al-Qaeda em abril de 2017, Qatar também conseguiu a libertação de outras 50 pessoas que tinham sido capturadas por extremistas no território sírio, assegura o jornal americano The Financial Times.

    Em dezembro de 2015, pessoas armadas em uniforme militar sequestraram um grupo de caçadores qatarianos no deserto de Nayaf, perto da fronteira com a Arábia Saudita.

    De acordo com uma fonte da Sputnik da polícia iraquiana, entre os sequestrados havia membros da família real qatariana.

    Conversações sobre a libertação de reféns têm se travado ao longo de mais de um ano entre Irã, Qatar e movimento libanês Hezbollah. Em abril, 26 caçadores foram libertados e entregues ao embaixador qatariano no Iraque.

    No dia 5 de junho, seis países árabes, Bahrein, Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen e Líbia, declararam ruptura de relações diplomáticas com Qatar, acusando Doha de apoiar organizações terroristas e desestabilizar a situação no Oriente Médio.

    Tema:
    Ruptura de relações diplomáticas com Qatar (67)

    Mais:

    Trump irá dialogar com todos os países da crise do Golfo para diminuir tensão com Qatar
    Putin e Erdogan trocam impressões sobre situação do Qatar
    Moscou sobre Qatar: conflitos devem ser resolvidos por vias diplomáticas
    Tags:
    sanções, resgate financeiro, reféns, Daesh, Arábia Saudita, Iraque, Bahrein, Qatar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar