17:49 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Militares sírios comemoram mais uma vitória sobre os terroristas em Aleppo.

    Avanço impetuoso das tropas governamentais sírias irrita Washington?

    © AFP 2019 / George Ourfalian
    Oriente Médio e África
    URL curta
    44521
    Nos siga no

    Os Estados Unidos planejam reestabelecer sua presença militar no Iraque, enviar soldados à Síria e instalar bases militares em ambos os países árabes para marcar seu domínio na região.

    Muhamed Hatit analisa as possíveis consequências destes planos de Washington em um artigo da edição síria Thawra.

    "Os EUA criaram o Daesh [organização proibida na Rússia] para poder usá-lo em seu interesse, ao mesmo tempo continuam apoiando esta organização. [Washington] quer que tudo seja feito de acordo com suas condições", declarou.

    Para Hatit, em 2017 os EUA conseguiram alcançar certos objetivos do seu plano de restabelecimento da presença militar no Iraque, assim como de entrada do seu contingente militar na Síria. Nestes dois países estão presentes hoje em dia mais de 8 mil soldados americanos, e haverá muitos mais. Washington planeja aumentar o número de militares até 25 mil no Iraque e 15 mil na Síria, assinala o jornalista na Thawra.

    Além disso, os EUA planejam distribuir os novos "reforços" entre suas bases militares que estão situadas nas áreas controladas pelas Forças Democráticas da Síria. Washington prevê usar este grupo para estabelecer o controle sobre o enorme território entre Deir ez-Zor e a parte norte da fronteira sírio-iraquiana, assinalou.

    Entretanto, os EUA se deparam com certos obstáculos imprevistos. Estes se devem à decisão das tropas governamentais sírias de avançarem para leste.

    Se as tropas governamentais alcançarem seu objetivo, isto colocará em perigo todos os planos americanos em relação à fronteira e, como consequência, acabará possivelmente com o domínio do Daesh na Síria. Se este prognóstico se tornar uma realidade, Washington perderá a única justificação para sua presença no país, destaca Hatit.

    "Para o governo sírio, este passo abre caminho à recuperação do controle sobre a parte norte da fronteira com o Iraque. E [tal passo] é crucial para a preservação do Estado sírio", resumiu.

    O fato de Damasco ter decidido mandar suas tropas até a fronteira iraquiana e começado a realizar este plano resultou em um êxito sem precedentes. O Exército sírio libertou as áreas habitadas vizinhas ao sul de Palmira, os arredores de Homs, no leste, e as cercanias de Damasco, capital síria. Estes êxitos das tropas governamentais sírias preocupam Washington e seus aliados.

    "O triunfo militar dos soldados sírios fez com que os EUA atuassem de maneira mais arrogante e agressiva. Isto inclui os bombardeamentos contra o território sírio", enfatizou.

    Washington segue dando reviravoltas no seu plano e adotando novas medidas que possam deter o avanço do Exército sírio no Leste do país. Damasco, ao mesmo tempo, ignorou aquilo que considera como uma agressão americana e continuou avançando, resumiu o jornalista.

    Mais:

    Turquia avisou EUA da operação militar na Síria e no Iraque, só que em cima da hora
    Político iemenita: EUA deslocam militantes da Síria e Iraque para Iêmen
    Especialistas militares propõem unificação da ação dos exércitos da Síria e Iraque
    Tags:
    terroristas, terrorismo, Daesh, Forças Democráticas da Síria, Palmira, Damasco, Deir ez-Zor, Washington, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar