01:58 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) posando com um avião destruído no aeroporto militar de Tabqa após o terem reconquistado ao Daesh, em 9 de abril de 2017

    Washington 'vai querer ocupar certas porções da Síria'

    © REUTERS / Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    41416

    É duvidoso que os EUA retirem suas tropas da Síria quando a devastadora guerra de seis anos estiver terminada, disse à Sputnik Internacional o ex-analista-chefe de política de segurança da Secretaria da Defesa dos EUA, Michael Maloof.

    "O presidente [Bashar Assad] quer recuperar toda a Síria, mas acho que a realidade é que nunca vamos ver a mesma Síria que tínhamos antes da guerra civil. Os EUA vão querer ocupar certas porções. A Síria não será um Estado autônomo como era antes. Na minha opinião, o que está acontecendo é a divisão em porções. Os curdos vão querer tomar posse de alguns territórios. A Rússia propôs no passado, apesar das objeções de Assad, criar uma região autônoma no norte do país, mas a Turquia nunca o aceitará. Então, esta luta vai continuar. O futuro da Síria como Estado autônomo permanecerá uma grande questão durante muitos anos", disse o analista.

    Ele também comentou a decisão recente de Washington de armaros curdos da Síria, dizendo que este ato afetaria as relações entre os EUA e a Turquia por bastante tempo e a política de Ancara na Síria.

    "Acho que podemos esperar ações imprevistas da parte da Turquia como consequência [da ajuda militar do Pentágono às Forças Democráticas da Síria (FDS) ]", disse ele. Acho que vamos acabar por ver o deslocamento das tropas turcas para o norte da Síria como resultado desta decisão, pois a Turquia não quer que os curdos ocupem esta área e criem sua própria região autônoma".

    Maloof também disse que Washington não teve outra opção, independentemente da posição turca quanto ao assunto, porque os curdos são praticamente as melhores forças terrestres para combater o Daesh.

    Além disso, o analista expressou dúvidas que Washington vá fornecer armas a outros grupos que lutam contra o Daesh na Síria.

    "Não acho que isso vá acontecer. Creio que o presidente Trump quer tentar cooperar com os russos para estabelecer o cessar-fogo na Síria. Tentativas de fornecer armas a outros grupos, muitos dos quais pertencem ao Exército Livre da Síria (ELS), vão somente perpetuar o conflito na Síria, sendo seu objetivo final destituir o presidente Assad. Isso não faz parte da política norte-americana", sublinhou ele.

    Mais:

    ONU: mais de 100 civis morreram na Síria em ataques da coalizão durantes últimas semanas
    Navios da Marinha russa lançam 4 mísseis Kalibr contra Daesh
    Cerca de 100 mil pessoas deixaram Raqqa em meio à operação contra Daesh
    Tags:
    guerra, Forças Democráticas da Síria, Exército Livre da Síria, Pentágono, Daesh, Bashar Assad, Donald Trump, Rússia, Turquia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik