21:12 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2010
    Nos siga no

    Funcionários do Pentágono exageraram o orçamento para a compra de combustível e gastaram o excesso com a preparação da oposição síria e com a operação no Afeganistão.

    A notícia foi divulgada pelo Washington Post, se referindo a documentos a que teve acesso.

    De acordo com a edição, desde o ano de 2015, dos meios obtidos graças ao evidente exagero do orçamento, o Pentágono gastou 80 milhões de dólares (R$ 260 milhões) com o treinamento das forças oposicionistas na Síria e 1,4 bilhões de dólares (R$ 4,5 bilhões) com "gastos imprevistos" no Afeganistão.

    Outros 450 milhões de dólares (R$ 1,4 bilhões) foram gastos com o apoio ao programa que permitia ao pessoal médico passar receitas aos efetivos. A iniciativa é frequentemente mencionada em relação a suspeitas de maquinações financeiras.

    Como destaca o WP, o Departamento de Defesa dos EUA é o maior consumidor de combustível no mundo. Anualmente o Pentágono compra cerca de 100 milhões de barris de combustível para necessidades das forças terrestres, aviação e marinha.

    O Pentágono confirmou que, no período entre 2010 e 2016, recebeu 5,6 bilhões de dólares (R$ 18,2 bilhões) para compra de combustível. Os funcionários afirmam que não planejavam receber dinheiro extra, mas simplesmente não tomaram em conta a queda dos preços das fontes da energia.

    Em março, o presidente Trump pediu para as necessidades do Departamento de Defesa norte-americano 639 bilhões de dólares para o ano fiscal 2018, o que são mais 52 bilhões em comparação com 2017.

    Mais:

    'Com aumento do contingente dos EUA no Afeganistão, a guerra só irá se agravar'
    Nova escalada: qual será nova estratégia dos EUA no Afeganistão?
    Pentágono: Rússia e EUA não romperam contatos sobre Síria após bombardeio da coalizão
    EUA renovam sanções contra governo da Síria
    Tags:
    oposição, Exército Livre da Síria, Pentágono, Afeganistão, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar