07:40 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Situação no Iêmen

    ONU: ataque à cidade portuária Houthi, no Iêmen, pode deslocar mais de 400 mil pessoas

    © REUTERS / Khaled Abdullah
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1042

    Se a cidade portuária iemenita de Al Hudaydah, controlada pelos rebeldes Houthi, for atacada, pelo menos 400 mil pessoas deixarão a cidade, complicando ainda mais a resposta humanitária no país que já sofre com falta de recursos, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) nesta sexta-feira.

    Em março, de acordo com relatos da mídia, os funcionários da Casa Branca disseram que Washington e a coalizão liderada pelos sauditas está considerando lançar um ataque contra Al Hudaydah para expulsar os rebeldes Houthi. Em resposta, o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Gennady Gatilov, disse que Moscou é contra o ataque, pois este não respeitaria a Resolução 2216 do Conselho de Segurança da ONU e agravará a crise humanitária no Iêmen.

    "No mínimo, 400 mil pessoas fugirão da cidade para o leste, assim que Al Hudaydah estiver sob ataque… Isso tudo além da situação já desesperadora de mais de dois milhões de pessoas deslocadas e de suas comunidades de acolhimento afetadas pelo conflito. Mesmo sem esse ataque a Al Hudaydah, todas as respostas de emergência no Iêmen estão enfrentando enormes dificuldades de acesso, apoio financeiro e imensas necessidades", disse Mohammed Abdiker, Diretor de Operações e Emergências da OIM, em um informe divulgado pela organização.

    A OIM está preparada para responder ao fluxo de moradores deslocados da cidade de Al Hudaydah, no entanto os recursos necessários para o apoio das pessoas podem acabar muito rápido. Por isso a organização está solicitando apoio financeiro adicional.

    O Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) caracteriza a situação no Iêmen como "a maior crise humanitária do mundo", com 18,8 milhões de pessoas necessitadas de assistência humanitária ou de proteção, incluindo 10,3 milhões que vivem em constante risco de vida.

    Mais:

    Rebeldes do Iêmen disparam contra cidades da Arábia Saudita (VÍDEO)
    Moscou: 'Se os EUA são a consciência do mundo, por que não veem o que se passa no Iêmen?'
    EUA querem participar mais ativamente de conflito no Iêmen
    Tribunal pro-Houthi do Iêmen condenou o presidente do país à morte
    Bombardeios da coalizão matam mais de 100 civis no Iêmen só em março
    Tags:
    refugiados, guerra civil, OIM, Houthis, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar