01:45 09 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2512
    Nos siga no

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, declarou que mesmo se a Aliança Atlântica aderir à coalizão internacional que luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), não irá participar de combates, limitando sua atividade ao apoio e treinamento de forças nacionais.

    Quanto à adesão à coalizão, liderada pelos EUA, Jens Stoltenberg apontou que esse assunto está na agenda. Ao mesmo tempo, ele expressou sua esperança que a decisão seja tomada até o início da cúpula da aliança, marcada para 25 de maio em Bruxelas.

    "Se OTAN aderir à coalizão, isso não mudará seu papel… OTAN não vai participar em operações militares, ninguém pediu à OTAN para desempenhar funções em operações de guerra nem na Síria, nem no Iraque", confirmou o secretário-geral da Aliança Atlântica em uma conferência de imprensa na capital alemã.

    "Continuaremos prestando apoio, enviando aviões AWACS [Sistema Aéreo de Alerta e Controle] e treinando militares no Iraque", adicionou.

    Mais cedo, a revista Spiegel informou que na quarta-feira passada (3), quando foi realizado o encontro entre os embaixadores da OTAN, EUA deixaram claro que esperam que seus aliados adiram à coalizão internacional para combater o Daesh.

     

    Mais:

    Moldávia é completamente contra adesão à OTAN
    Vitória de Macron: mais sanções contra Rússia, 'mais expansão da OTAN'
    EUA reafirmam apoio à entrada da Geórgia na OTAN
    Trump e Macron terão primeiro encontro durante reunião da OTAN
    Tags:
    apoio militar, combate ao terrorismo, treinamento militar, adesão, operação militar, Cúpula da OTAN, coalizão internacional, Daesh, OTAN, Jens Stoltenberg, Bruxelas, Iraque, Síria, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar