09:19 28 Maio 2017
Ouvir Rádio
    A Syrian refugee man walks in Elbeyli refugee camp near the Turkish-Syrian border in Kilis province, Turkey, December 1, 2016

    Refugiados de Idlib: Vivendo na Turquia, trabalhando na Síria

    © REUTERS/ Umit Bektas
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 40512

    Pouco depois de um memorando sobre a criação de zonas de segurança na Síria ser assinado em Astana, um correspondente da Sputnik visitou refugiados sírios de Idlib que atualmente vivem em um acampamento em Kilis, uma cidade turca localizada na fronteira com a Síria.

    A maioria dos sírios que vivem no campo de Kilis é originária de Idlib e Aleppo, que é exatamente onde os estados de garantia de cessar-fogo da Síria — Rússia, Irã e Turquia — concordaram em estabelecer zonas de segurança para melhorar a situação humanitária e ajudar a trazer de volta os migrantes forçados. Muitos deles ainda estão na Turquia.

    Farid Sheik Ali, que vive no campo de Kilis desde que ele e sua família fugiram de Idlib há cinco anos, se alegraram com a cidadania turca que ele, a esposa, Farida, e cinco filhos conseguiram recentemente.

    Assim como os 15.411 refugiados sírios no campo Kilis, Farid e sua família vivem em um dos 3.184 contêineres disponibilizados a eles por seus anfitriões turcos. Quando lhe perguntaram se ele e sua família planejavam retornar à Síria, Farid disse que esperariam até que a guerra terminasse.

    "Nunca esqueceremos o que Erdogan fez por nós, e o que Assad fez", enfatizou Farid. "Estamos do lado da oposição, isso é certo".

    A família do Sheik Ali é comparativamente rica. Ele e sua esposa têm um emprego e, juntos, eles ganham um equivalente a cerca de US $ 670 por mês.

    Nem todo mundo no acampamento é tão sortudo. Vaddah Yaso, um jovem de 19 anos de idade de Idlib, disse que sua família solicitou uma residência no Canadá há cinco anos e eles ainda estavam esperando por uma resposta.

    Ele acrescentou que cabe às autoridades turcas decidir quem merece um novo passaporte. Vaddah também acompanha frequentemente as reuniões de paz na Síria conduzidas em Genebra.

    "Os delegados da oposição não representam todos os sírios", disse ele.

    Um representante da administração do campo, Seifettm Cimen, disse que 80% dos que vivem são de Idlib e de Aleppo e assim que as zonas da segurança forem estabelecidas, muitos retornariam.

    Procurando um emprego na Síria

    Os refugiados são livres de deixar o acampamento para trabalhar. Alguns encontram emprego na fronteira da Síria, incluindo o marido de Hanan Saddadin, que ensina inglês no acampamento.

    Ele serve com a chamada Polícia Livre (FP na sigla em inglês) em al-Bab, da Síria, que tem o Exército Livre da Sírio (FSA) apoiado pelos turcos.

    Muitos membros da FP são antigos militantes que lutaram contra as forças do Presidente Bashar Assad. De acordo com fontes militares russas, há cerca de 42 mil militantes ativos dentro das quatro zonas de segurança a serem estabelecidas nas províncias de Idlib e Aleppo.

    Pintado em um muro de concreto que atravessa a fronteira síria estão as bandeiras da Turquia e do Exército Livre da Sírio. As bandeiras de FSA podem também ser vistas nas portas de alguns dos recipientes que os refugiados vivem dentro no acampamento.

    Quando se perguntou por que usaram a bandeira da FSA em vez da República Árabe Síria, Seifettm Cimen riu e disse que a maioria dos refugiados são de Idlib.

    "Capacetes Brancos? Nunca ouvi falar sobre eles "

    Há um hospital pequeno no campo de Kilis administrado por quatro doutores e por vários paramédicos.

    Alptekin Caglak, um paramédico, disse que o hospital também tinha um braço na Síria para quem precisa de ajuda ou uma prótese, por exemplo.

    Quando perguntado se eles tinham qualquer paciente sofrendo de intoxicação química após o suposto ataque em Idlib, Caglak disse que eles foram levados para outro hospital.

    Quanto à organização médica independente chamada Capacetes Brancos, que foi a primeira a contar ao mundo sobre o suposto uso de armas químicas em Idlib, Alptekin Caglak disse que durante seu período de três anos no campo de Kilis ele nunca tinha ouvido falar deles.

    A quarta rodada de negociações realizada na semana passada em Astana pelos garantes sírios de cessar-fogo (Rússia, Irã e Turquia) resultou em um acordo inovador sobre o estabelecimento de quatro zonas de descalcificação na Síria.

    O acordo prevê a desmilitarização do campo oriental de Damasco, o subúrbio norte de Homs, a cidade de Idlib, no noroeste, e o sul de Daraa. Qualquer confronto entre as forças governamentais e grupos armados da oposição deve parar dentro das zonas.

    Telegram

    Siga Sputnik Brasil no Telegram. Todas as notícias mundiais do momento em um só canal. Não perca!

    Mais:

    Zonas de segurança entram em vigor na Síria
    'Criação de 4 zonas de segurança na Síria vai parar guerra civil'
    Rússia tem provas irrefutáveis de que ataque químico na Síria foi uma provocação
    Arábia Saudita apoia criação de zonas de segurança na Síria
    Tags:
    Polícia Livre, Capacetes Brancos, FP, Exército Livre da Síria, Alptekin Caglak, Seifettm Cimen, Vaddah Yaso, Farid Sheik Ali, Recep Tayyip Erdogan, Bashar Assad, Caglak, Astana, Homs, Aleppo, Daraa, Kilis, Idlib, Damasco, Genebra, Turquia, Irã, Síria, Canadá, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik